Portugal com 69 casos da variante Ómicron e com possível circulação comunitária, diz INSA

Portugal regista 69 casos da variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2, com os últimos dados a revelarem uma “tendência fortemente indicadora da existência de circulação comunitária”, avançou esta terça-feira o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

“Até à data, estão identificados um total de 69 casos da variante Ómicron por pesquisa dirigida de mutações e/ou sequenciação do genoma viral”, refere o relatório do INSA sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2, que provoca a doença Covid-19.

Segundo o instituto, no âmbito da monitorização em tempo-real da “falha” na deteção do gene S, que permite identificar a variante Ómicron, realizada em colaboração com diversos laboratórios, foi possível reunir os dados referentes ao período de 25 de novembro a 12 de dezembro.

“Esta análise aponta para uma tendência crescente na proporção de casos positivos com falha do gene S desde o dia 6 de dezembro, atingindo uma frequência relativa de 9.5% no dia 12 de dezembro”, adianta o relatório.

De acordo com o INSA, esta tendência, em particular a observada nos últimos três dias, é “fortemente indicadora da existência de circulação comunitária da variante Ómicron neste período, em forte paralelismo com o cenário observado em outros países” que estão a utilizar a mesma abordagem para vigilância desta variante, caso da Dinamarca e do Reino Unido.

Esta nova variante, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em 24 de novembro, foram notificadas infeções em mais de 60 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Recomendadas

Covid-19: Várias cidades da China relaxam medidas de prevenção epidémica

Várias cidades chinesas estão a abolir algumas medidas de prevenção contra a Covid-19, sinalizando o fim gradual da estratégia ‘zero casos’, que manteve o país isolado durante quase três anos e afetou a economia.

ONG dá “voto de desconfiança” a comissão de acompanhamento em obstétrica

O Observatório de Violência Obstétrica (OVO) deu hoje um “voto de desconfiança” à Comissão de Acompanhamento da Resposta em Urgência de Ginecologia, Obstetrícia e Bloco de Partos, tendo criticado a sua composição.

Maternidade Alfredo da Costa assinala 90 anos com mais de 600 mil partos

Mais de 600 mil crianças nasceram na Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, ao longo dos seus 90 anos, que hoje se assinalam, e as grávidas estrangeiras já representam 32% dos partos realizados atualmente.
Comentários