Portugal com a taxa de inflação mais elevada em 30 anos (com áudio)

Taxa de inflação média fixou-se em 7,8% em 2022, depois de no ano anterior se ter situado em 1,3%.

A taxa de inflação anual em 2022 foi de 7,8%, um valor que compara com os 1,3% registados no ano anterior, segundo os dados do INE revelados esta quarta-feira. Este é o valor mais elevado desde 1992, ou seja, em 30 anos.

Com exclusão dos produtos alimentares não transformados e energéticos, a inflação fixou-se em 5,6% no ano passado, sendo que em 2021 tinha sido de 0,8%. De acordo com o INE, “o aumento da taxa de variação do IPC [Índice de Preços no Consumidor] entre 2021 e 2022 foi influenciado pelo comportamento da inflação subjacente e pela aceleração dos preços dos produtos alimentares não transformados e dos produtos energéticos, que registaram variações médias anuais de, respetivamente, 12,2% e 23,7%”.

A par do que foi visto ao longo do ano passado, o gabinete estatístico relembra que o aumento dos preço “foi ainda mais acentuado na produção industrial, tendo o respetivo índice apresentado uma variação média anual de 21,2% em 2022, o mais elevado da série”. Com a exclusão da energia, “registou-se uma variação média anual de 14,5%, superior em 9,1 pontos percentuais à observada em 2021”. O INE destaca ainda o aumento dos preços na produção de bens de consumo, que se situou em 12,5%, sendo que este ficou mais próximo do verificado ao nível dos preços no consumidor.

Apenas disponíveis para o mês de novembro, “os indicadores a curto prazo apontam para uma desaceleração em termos nominais nos serviços e uma ligeira aceleração na indústria, verificando-se reduções na indústria e construção”, com uma redução no investimento e no consumo privado.

O gabinete estatístico aponta que os portugueses passaram a pagar mais contas e pagaram mais através dos cartões bancários, com os terminais TPA a apresentarem um crescimento homólogo de 12,8% em dezembro, e de 18,8% no total de 2022.

Relativamente ao emprego, o INE sustenta que a taxa de emprego se ficou em 6,4% no mês de novembro, superior em 0,4 p.p. face ao mês anterior. Por sua vez, a população empregada aumentou 0,3% face ao ano anterior, ainda que tenha decrescido em relação ao mês anterior.

Sentimento externo

Na área euro, o sentimento económico aumentou em novembro e dezembro, interrompendo a queda sentida ao longo de um ano. A população europeia recuperou a confiança “em todos os sectores de atividade inquiridos, em particular nos serviços e no comércio a retalho, verificando-se também um aumento do indicador de confiança dos consumidores pelo terceiro mês consecutivo”.

O INE lembra que os preços voltaram a abrandar nos últimos meses de 2022, depois de valores recordes ao longo do ano.

[Atualizada às 11h32]

Relacionadas

Taxa de inflação desacelera para os 9,2% na zona euro e 10,4% na UE (com áudio)

O abrandamento da inflação nos preços da energia foi determinante para esta tendência, em ambas as zonas. A confirmação foi dada pelo Eurostat.

Crise/Inflação: Resposta da UE não pode limitar-se a ajudas de Estado, diz Medina

Portugal defendeu hoje em Bruxelas que a resposta europeia ao plano de subvenções dos Estados Unidos não pode limitar-se aos auxílios de Estado, e deve incorporar a vertente de financiamento, para não criar “um problema ainda mais sério”.

Crise/Inflação: Salários devem ter em conta perda de poder de compra, diz Ecofin

O Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) assumiu hoje que os Estados-membros devem “apoiar uma evolução salarial que atenue a perda de poder de compra dos trabalhadores”, no contexto da elevada inflação na zona euro.
Recomendadas

Governo diz que concurso internacional para SIRESP permitiu economizar 30% da despesa prevista

As empresas vencedoras do concurso público internacional foram a Motorola, NOS, OMTEL, No Limits, Moreme e Altice Labs.

“Valorização dos salários é crítica”, reconhece ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Ana Mendes Godinho garante que o governo continuará a implementar medidas suplementares para a valorização do salário e, nesse sentido, anunciou que já em março vai ser lançada uma iniciativa dirigida às empresas que contratem jovens com contratos permanentes e um valor mínimo de 1.320 euros de vencimento. As empresas serão apoiadas pelo Estado no pagamento desse vencimento.

Descida da inflação permite corte de 2,5% em Angola

A consultora Oxford Economics Africa considerou este sábado que a descida da inflação para 12,2% durante este ano dará espaço ao banco central de Angola para descer a taxa de juro para 250 pontos base.
Comentários