Portugal considerado a segunda ‘Marca País’ mais relevante da Europa pelos Country Brand Awards

Na pontuação final, a maneira como foi gerida a crise de saúde causada pelo Covid-19 foi o fator com maior peso na atribuição dos prémios (50%), seguindo-se a capacidade dos países em criar uma marca turística (25%) e uma marca económica (25%).

Portugal, com uma avaliação média de 6,78, ficou à frente de países como Reino Unido (4,4), Hungria (4,17) e Rússia (4,08). Os ‘Country Brand Awards’ classificam os países em várias categorias, entre elas a de melhor marca turística e de melhor marca económica onde, Portugal, ficou apenas atrás da Alemanha que obteve uma pontuação média de 7,41 sendo o país vencedor a nível europeu.

A nível global, a Nova Zelândia foi o país com a melhor ‘Marca País’, com uma pontuação de 8,09 em 10. O júri internacional reconheceu a gestão da reputação da Marca País na Nova Zelândia. Assim, o país fortaleceu a sua reputação e imagem geral, sendo aplaudido tanto pela imprensa internacional, como pelos principais líderes de opinião.

Na pontuação final, a maneira como foi gerida a crise de saúde causada pelo Covid-19 foi o fator com maior peso na atribuição dos prémios (50%), seguindo-se a capacidade dos países em criar uma marca turística (25%) e uma marca económica (25%).

Dos 13 países europeus analisados, todos os países que não conseguiram gerir com êxito a crise de Covid-19 ficaram muito atrás dos restantes países europeus que foram selecionados. Portugal, neste campo, foi considerado um bom exemplo de gestão da pandemia, superando todos os “rivais” europeus com exceção para a Alemanha. A atuação de todos os governos dos restantes países analisados foi duramente criticada pela imprensa internacional, que destacou a má gestão da situação e as deficiências de um sistema de saúde pública que se enfraqueceu nos últimos anos.

Embora a capacidade dos países de gerar marcas económicas e turísticas sejam componentes básicos na construção da ‘Marca País’, a gestão da pandemia representa um novo eixo fundamental para a imagem internacional cultivada pelos territórios. Assim, entram em jogo elementos essenciais como a segurança da saúde e a capacidade de resposta a este novo paradigma.

Países que, publicamente responderam melhor à pandemia, como é o caso da Nova Zelândia, Alemanha e Canadá, serão, ao que tudo indica, os primeiros a recuperar de uma crise global, uma vez que não demonstraram apenas um forte sistema interno, mas também foram capazes de gerar confiança na esfera internacional.

Assim, o júri de peritos pôde avaliar essa gestão, para além da capacidade de promoção turística e económica da sua marca, através de um estudo independente de perceção e reputação de marca em 40 países pré-selecionados.

Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários