Portugal deixou fugir 28 milhões de euros em alimentos

Em causa está o programa do Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas que não foi executado pelo Governo.

O executivo português não levou para a frente o programa europeu de ajuda alimentar, que apoiou 400 mil portugueses carenciados no ano passado. De acordo com o “Jornal de Notícias” desta sexta-feira, o Governo desperdiçou, assim, 28 milhões de euros do Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas (FEAC) em 2016.

As organizações humanitárias contestam a medida, dado que, para que o programa em questão esteja operacional, faltam “abrir concursos ou regulamentar os mesmos”, segundo a fonte de uma das instituições parceiras contactadas pelo JN.

Os partidos da oposição também não são a favor. A líder do CDS, por exemplo, questionou o primeiro-ministro no plenário desta quinta-feira sobre a situação do FEAC e realçou que “é mais um exemplo das famosas cativações, cortes cegos que o país está a sofrer”.´

Assunção Cristas sublinhou que “este ano, pela primeira vez, não vai haver distribuição do fundo de apoio aos carenciados”. “São 400 mil pessoas que recebiam alimentos via dinheiros europeus”, acrescentou.

O ministério da Solidariedade e Segurança Social respondeu às dúvidas do JN sobre o fundo, argumentando que “vai iniciar-se a distribuição alimentar ao abrigo do FEAC em 2017, tendo o ano de 2016 servido para tomar as diligências necessárias a fim de garantir esse início”.

Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.
Comentários