PremiumPortugal desce no índice de progresso social e sai do ‘top 20’

Queda na classificação é justificada por alterações ao índice. Posição nos Direitos Pessoais e na Inclusão sobe, quando os outros descem.

Portugal desceu quatro posições no Índice de Progresso Social (IPS) deste ano, saindo do clube dos 20 melhores países, onde tinha entrado na anterior lista, em 2017. Esta evolução é explicada, em parte, pela perda de posições no capítulo da educação, que o bom registo na dimensão de direitos pessoais e na inclusão foi incapaz de compensar. Esta é a quinta edição do IPS, um ranking de bem estar social elaborado pela Social Progress Imperative, uma organização não governamental, com o apoio da consultora Deloitte.

Com 85,36 pontos em 100 possíveis, Portugal surge este ano logo a seguir a Singapura, que contabilizou 85,42 pontos, e uma posição à frente dos Estados Unidos da América, que obteve 84,78 pontos. Face aos pares – países com um Produto Interno Bruto (PIB) per capita idêntico –, Portugal mantém o segundo lugar do ano passado.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.

TdC identifica mais de 12 mil milhões de euros de despesa com 186 benefícios fiscais em 2021

O organismo alerta para a inconsistência com os 336 benefícios mencionados pela Autoridade Tributária, para a concentração do recurso a estas medidas em poucos beneficiários e para a falta de avaliação quanto ao impacto real das mesmas.
Comentários