Portugal destinou 1,33% do PIB à I&D no ano passado

A despesa total em Investigação e Desenvolvimento cresceu 197 milhões de euros em 2017, totalizando 2.585 milhões de euros. As empresas lideram.

Krisztian Bocsi/Bloomberg

A despesa total em Investigação e desenvolvimento cresceu 197 milhões de euros em 2017, tendo somado 2.585 milhões de euros, o equivalente a 1,33% do PIB. Segundo o Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional da Direção Geral de Estatísticas de Educação e Ciência, divulgado esta quinta-feira, a despesa em I&D aumentou 8,2%, sendo superior ao aumento relativo do PIB que está estimado em cerca de 4%.

Em 2016, a despesa total em I&D a nível nacional tinha totalizado 2.389 milhões de euros, representando 1,29% do PIB. E no ano anterior (2015) tinha sido de 2.234 milhões, equivalente a 1,2%.

Os dados mostram que o crescimento da despesa em I&D é particularmente expressivo no setor das empresas, onde em 2017 cresce 146 milhões de euros face a 2016, ou seja, 13%, totalizando 1.303 milhões.

A despesa em I&D das empresas atinge agora cerca de 0,67% do PIB (era 0,61% do PIB em 2016 e 0,58% em 2015) e a despesa em instituições privadas sem fins lucrativos cerca de 0,02% do PIB, representando no total 52% da despesa nacional total em I&D.

Segundo os dados apurados pela Direcção Geral das Estatísticas de Educação e Ciência, a despesa em I&D do setor de Ensino Superior cresceu cerca de 3% no ano passado comparativamente ao ano anterior, para 1.100 milhões de euros, continuando a representar cerca de 0,57% do PIB. Juntamente com o setor Estado representa 0,64% do PIB.

“O aumento da despesa privada em I&D reflete o crescimento do emprego qualificado nas empresas e o esforço do setor privado em acompanhar o desenvolvimento científico e a capacidade tecnológica instalada em Portugal”, destaca o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior em comunicado enviado às redações.

Segundo o documento foram registados 44.938 investigadores medidos em equivalente a tempo integral, mais 3589 do que em 2016 e o maior valor desde 2012, superando o crescimento de 2677 entre 2016 e 2015.

O Ensino Superior inclui 27.562 investigadores a tempo integral (eram 26.106 em 2016), representando 61% do total, enquanto o setor privado inclui 15.407 investigadores nas mesmas circunstâncias (eram 13.426 em 2016), representando 34% do total.

O número de investigadores no setor privado cresce de 1.981 a tempo integral entre 2016 e 2017. O crescimento verifica-se sobretudo nas empresas, onde atinge 15% entre 2016 e 2017. Já o aumento no ensino superior foi, no mesmo período, de 6%. O número de investigadores no Estado continua a representar cerca de 3% do total, com 1.477 investigadores em 2017 (eram 1.340 em 2016, incluindo sobretudo os Laboratórios do Estado).

O total de recursos humanos em atividades de I&D (isto é, o total de investigadores, técnicos e outros profissionais) atinge 10,5 pessoas por cada mil habitantes ativos, atingindo 54.995  em 2017 (eram 50.406 em 2016 e 47.999 em 2015). De realçar também que, em termos globais, 82% exerceu a função de investigadores (44.938 a tempo inteiro) e 15% desempenharam funções de técnicos (8.026 a tempo inteiro).

Relacionadas

Consumo privado e desaceleração das exportações promovem desaceleração do PIB, estima ISEG

A Síntese de Conjuntura do ISEG confirma que o PIB do 3º trimestre desacelerou, mas encontra sinais de estabilidade para o trimestre em curso.

Turismo deverá continuar a reforçar importância para o PIB até 2021

Banco de Portugal sublinha, no Boletim Económico de dezembro, que a evolução das exportações portuguesas de turismo deve ser enquadrada na trajetória de crescimento deste setor a nível internacional.

Crescimento económico abranda até 2021 com desaceleração das exportações

Banco de Portugal realça que abrandamento das exportações no primeiro semestre de 2018 foi comum à zona euro. No Boletim Económico de dezembro, antecipa ainda que o crescimento do PIB se deverá fixar em 1,6% em 2021.
Recomendadas

Noite Europeia dos Investigadores regressa esta sexta-feira com centenas de atividades em todo o país

A iniciativa, dinamizada pela Comissão Europeia decorre em simultâneo em cidades de 25 países. Pretende aproximar o público das pesquisas científicas, promover projetos de I&D entre os países, aumentar o interesse dos jovens por carreiras científicas e mostrar o impacto do trabalho dos investigadores no nosso quotidiano.

A parceria que privilegia a economia social e as suas organizações ganha mais três anos

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, e José Pena do Amaral, Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, explicam ao JE a originalidade da parceria Iniciativa para a Equidade Social, o que envolve e o que pretende alcançar. A parceria junta a Fundação “la Caixa”, o BPI e a Nova SBE.

Fundação ”la Caixa”, BPI e NOVA SBE renovam parceria de 2,2 milhões

Iniciativa para a Equidade Social vai prolongar-se por mais três anos, até 2024, segundo acordo assinado esta tarde na Nova SBE, em Carcavelos. A parceria tem como objetivo impulsionar o sector da economia social em Portugal, através de projetos de investigação e capacitação desenvolvidos por equipas académicas especializadas.
Comentários