Portugal deve manter diversificação das fontes de financiamento, alerta Moody’s

A consultora considera, apesar de tudo, que Portugal está bem posicionado para enfrentar a saída do BCE da linha da frente da aquisição de dívida emitida pela Zona Euro.

Os governos da Itália (Baa3, estável), Espanha (Baa1, estável) e Portugal (Baa3, estável) precisam de continuar a diversificar as suas fontes de financiamento para atender às necessidades ainda muito elevadas exigências financeiras, quando o Banco Central Europeu (BCE) encerrar novas aquisições de dívida soberana da área do euro no final do ano, informou a Moody’s Investors Service.

A consultora diz ainda que os rácios da dívida em relação ao PIB próximos ou superiores a 100%, bem como os défices orçamentais continuados, significam que Espanha e Itália vão enfrentar necessidades de financiamento bruto de cerca de 17 e 18% do PIB, respetivamente, em 2019-2020, enquanto as necessidades de financiamento de Portugal são um pouco menores, mas andarão na casa dos 13-14% do PIB.

“Acreditamos que a Espanha e Portugal estão bem posicionados para continuarem a gerir a transição para um ambiente pós-BCE”, disse Petter Bryman, responsável da Moody’s (analista e co-autor do relatório). “A Itália enfrentará desafios mais significativos, embora sejam impulsionados por desenvolvimentos políticos e económicos internos, e não pela retirada do apoio do BCE”.

A maior qualidade de crédito da Espanha e a demanda robusta de investidores não-residentes e as fontes de financiamento cada vez mais diversificadas de Portugal deixa estes países numa posição comparativamente melhor para continuar a negociar a transição para o novo ambiente sem o auxílio do BCE.

Embora seja de considerar baixos os riscos de uma crise de liquidez em Itália, a saída de investidores não residentes a partir de maio deste ano significa que administrar a transição será mais desafiador para a Itália, apesar da recente redução de tensões com a União Europeia sobre o orçamento de 2019, diz a consultora.

O ritmo de compras de obrigações do Tesouro da área do euro no âmbito do programa de flexibilização quantitativa do BCE (PSPP) já abrandou significativamente em comparação com o seu pico em 2016, quando o BCE comprou o equivalente a 30% a 40% do valor bruto das emissões dos países em referência.

O BCE continuará a reinvestir as receitas de títulos, embora a Moody’s calcule que os valores reinvestidos em 2019 representarão cerca de 10% das necessidades de financiamento bruto da Espanha e Portugal e 6% dos da Itália em 2019.

Nos últimos anos, Itália, Espanha e Portugal “ampliaram com sucesso o prazo de vencimento de seus empréstimos”. As taxas de financiamento não aumentaram até agora, depois de o BCE reduzir o ritmo das suas compras, o que significa que a eliminação da intervenção do banco central no final deste ano “não deve levar a um aumento imediato do endividamento por via das taxas disponíveis para os três países”.

Recomendadas

Eleições do Brasil: Lula recupera e segue na frente com 70% dos votos contados

A segunda volta parece cada vez mais forte numa altura em que os dois candidatos estão taco a taco nos 45%, mas com Lula da Silva, do PT, a tomar a dianteira.

Eleições do Brasil: Bolsonaro mantém-se na liderança com 50% dos votos contados

A segunda volta é cada vez mais certeira, quando a contagem dos votos prossegue e a distância entre os dois principais candidatos à Presidência do Brasil diminui.

Eleições do Brasil: Primeiros números oficiais dão liderança a Bolsonaro sem maioria absoluta

Às 21h30, pouco mais de 1% dos votos válidos estavam contados. Em Lisboa, as urnas fecharam pelas 20:00, após o encerramento ser prolongado devido à forte afluência.
Comentários