Portugal é dos países europeus com maior disparidade salarial

Portugal tem maior ‘fosso’ da UE entre salários médios e mais altos, de acordo com o Eurostat.

Portugal tem o maior rácio de disparidade entre o salário médio (estimado em 5,1 euros por hora) e os mais altos (14,4 euros por hora) , o que significa que 10% dos salários mais altos são 2,8 vezes superiores ao salário médio.

Por outro lado, analisando a discrepância entre os 10% que auferem os salários mais elevados com o valor recebido pelos 10% que ganham menos (3,3 euros hora), o rácio eleva-se a 4.3. Ou seja, quatro vezes mais do estimado como média salarial.

Os salários mais altos em Portugal eram, em 2014, pagos nos setores das atividades financeiras e de seguros, seguindo-se o da produção e distribuição de eletricidade e gás e o da informação e comunicação.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, a seguir a Portugal, seguem-se a Bulgária, Chipre, Polónia e Roménia (2,5 cada), a Letónia (2,3), a Irlanda, a Lituânia, o Luxemburgo, Hungria e o Reino Unido (2,2 cada).

No outro extremo, estão a Dinamarca e a Suécia (com um rácio de 1,6 cada), a Finlândia (1,7), a Bélgica, a França, Malta e Holanda (1,8 cada).

Entre os salários baixos e a média, Portugal tinha, em 2014, – a par da Dinamarca, de França e da Itália – o terceiro menor rácio (1,5), depois da Suécia (1,3), da Bélgica e da Finlândia (1,4 cada).

Recomendadas

Crise/Inflação: Casais podem receber 125 euros pelo IBAN do reembolso do IRS

O apoio de 125 euros é individual, mas os casais que entreguem o IRS em conjunto e só tenham o IBAN do reembolso deste imposto confirmado nas Finanças recebem o apoio nessa conta bancária, esclareceu hoje fonte oficial.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.

Premium“Dá-se quase uma medalha a quem consegue fugir aos impostos”, diz presidente da APIT

O presidente da APIT salienta que Portugal está a braços com a economia informal e que são precisas políticas de cidadania na área.
Comentários