Portugal e França estão cada vez mais interligados

O volume e o peso das relações comerciais de Portugal com França tem aumentado nos últimos anos, significando uma maior interligação entre as duas economias. Ao tradicional investimento de pendor mais industrial, que é relevante e que se mantém, nota-se o incremento forte nos serviços.

O volume e o peso das relações comerciais de Portugal com França tem aumentado nos últimos anos, significando uma maior interligação entre as duas economias. Ao tradicional investimento de pendor mais industrial, que é relevante e que se mantém, nota-se o incremento forte nos serviços. É verdade que há um interesse crescente pelo investimento em Portugal na área dos Business Service Centers, devido à reconhecida capacidade técnica instalada e ao preço competitivo. Depois, claro, o crescente fluxo turístico define a tendência.

Segundo a AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, a França é já o segundo maior mercado para as exportações portuguesas, a seguir à Espanha, tendo ultrapassado a Alemanha. Absorve 3,4% das exportações portuguesas. Cerca de 60% do valor exportado para o mercado francês foram bens e 40% foram serviços. Por outro lado, a França é o terceiro fornecedor de Portugal, representando 8% das importações. A balança comercial é superavitária e o diferencial tem aumentado desde 2013, chegando aos 4,85 mil milhões de euros.

 

Automóveis como principal mercadoria

Do lado dos bens, a França manteve no ano passado a segunda posição entre os clientes de Portugal, representando 12,5% deste tipo de exportações. O que exporta Portugal? Veículos e outro material de transporte (representa 17% das vendas), máquinas e aparelhos, metais comuns, plásticos e borracha e calçado. Em conjunto, estes itens representaram mais de metade do total.

Na volta do correio, ainda neste segmento de bens, a França ocupou a terceira posição entre os fornecedores de Portugal, representando 7,4% das importações.

Já no caso dos serviços, diz a AICEP que “o mercado francês tornou-se o primeiro cliente dos serviços portugueses em 2017”, representando 15% do total exportado por Portugal. Manteve o terceiro lugar enquanto fornecedor de serviços, com um peso de 9,1% do total importado.

A explicação desta evolução é o boom turístico que se tem vivido em Portugal. Segundo o Banco de Portugal, as viagens e o turismo foram os principais responsáveis para o saldo positivo da balança de serviços, entre Portugal e a França, no ano passado, representando 54,6% do total dos serviços exportados.

 

A rede portuguesa de empresas

Nota para uma questão: o aumento das trocas comerciais entre os dois países está diretamente ligado ao aumento do investimento direto, especialmente da França em Portugal. Empresas francesas instaladas em Portugal exportam para França e também compram bens e serviços gauleses.

Diz a AICEP que “os incentivos fiscais e a flexibilidade introduzida na legislação laboral são muito apreciados pelas empresas e agentes económicos franceses. Para além destas medidas, a proximidade geográfica, cultural, a facilidade de comunicação, a estabilidade política e o esforço de recuperação económica do país, bem como o reconhecimento e prestígio da comunidade portuguesa em França”. E é este último ponto que também pesa nas relações: uma rede de cerca de 45 mil empresas de matriz portuguesa espalhadas por todo o território de França, que consomem e projetam Portugal.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários