Portugal e Índia querem reforçar relações económicas, científicas e culturais, garante MNE

Portugal e a Índia querem reforçar as relações nos planos económico, científico, cultural, educacional e de mobilidade, afirmou à Lusa o ministro português dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, na conclusão de uma visita oficial à Índia.

epa09873787 Minister of Foreign Affairs of Portugal, Joao Gomes Cravinho, arrives at a special meeting of NATO’s Ministers of Foreign Affairs on the Ukraine Crisis in Brussels, Belgium, 06 April 2022. NATO Ministers of Foreign Affairs will attend a working dinner on the evening of 06 April, and a second day of meetings on 07 April. EPA/OLIVIER HOSLET

Portugal e a Índia querem reforçar as relações nos planos económico, científico, cultural, educacional e de mobilidade, afirmou à Lusa o ministro português dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, na conclusão de uma visita oficial à Índia.

Os dois países estão “muito bem” em termos de relações políticas, garantiu Gomes Cravinho em declarações à Lusa, salientando que “há um excelente relacionamento entre os dois primeiros-ministros”, mas há outros aspetos que é preciso desenvolver.

“No plano das relações culturais, económicas, científicas, educacionais e também em termos de mobilidade há possibilidades de fazer mais e melhor” e vontade mútua para o fazer, disse o ministro.

Há “um sentimento de ambição partilhada”, assegurou Cravinho, depois de uma reunião com o seu homólogo indiano, Subrahmanyam Jaishankar, em Nova Deli, onde participou nos Diálogos Raisina, conferência anual indiana sobre geopolítica e geoeconomia que junta vários líderes mundiais.

A expectativa é que, “daqui por um ano ou dois, em todos esses domínios tenha havido avanços significativas”, referiu o ministro português dos Negócios Estrangeiros em declarações à Lusa.

Para salientar a importância que dá à relação Portugal-Índia, lembrou que o primeiro país que visitou enquanto chefe da diplomacia foi Angola e o segundo foi agora a Índia.

Também na relação da União Europeia com a Índia, Portugal tem um papel significativo, já que o governo indiano “reconhece a Portugal um empenho especial (…) um trabalho muito próprio dentro das instituições europeias” no que toca a esse relacionamento, sublinhou Gomes Cravinho.

“Fizemos a diferença em momentos-chave”, referiu o ministro português, recordando que foi na presidência portuguesa da UE, em 2000, que aconteceu a primeira cimeira UE-Índia e que, no ano passado, Portugal conseguiu a realização da primeira cimeira no formato completo, ou seja, não só com os líderes das instituições, mas com os líderes dos Estados-membros dos 27.

Para enfatizar a importância na política externa de Portugal, Gomes Cravinho referiu o crescimento demográfico, económico e noutros domínios da Índia, um país que “está a impor-se internacionalmente”.

Essa posição no mundo é ainda maior, “uma posição nova e intensificada”, depois da invasão da Ucrânia pela Rússia, considerou o ministro.

Já antes, num debate em que participou com outros convidados, tinha realçado a importância da Índia como ator global confiável e o contributo que, conjuntamente com a União Europeia (UE), pode dar para uma nova governação no mundo.

Um dos efeitos da invasão da Ucrânia pelas forças russas é que “estimulou as necessidades da UE de pensar e atuar estrategicamente” e a Índia, defendeu, emerge como parceiro de confiança, o que é bom para a Índia e a UE, e para “o contributo que conjuntamente podem dar para uma governança internacional regulada e baseada num sentido comum de decência e previsibilidade em relação uns aos outros”.

Recomendadas

Montenegro sucede a Rio na liderança do PSD

Com ainda pouco menos de um terço dos mais de 30 mil votos por apurar, Luís Montenegro está confirmado como o próximo líder social-democrata e o sucessor de Rui Rio na liderança do PSD.

PSD: Montenegro com quase 75% dos votos quando estão apuradas metade das secções

Quando estavam apuradas 158 das 317 secções, Luís Montenegro tinha 74,11% e Jorge Moreira da Silva apenas 25,89% dos votos, de acordo com o ‘site’ que disponibiliza os resultados das eleições diretas do PSD em tempo real.

Isabel Camarinha já vê efeitos da maioria absoluta do PS na falta de diálogo do Governo

A secretária-geral da central sindical considera que “o Governo e esta maioria absoluta do Partido Socialista têm que ouvir os trabalhadores”, pelo que uma greve geral em conjunto com a UGT não pode ficar excluída. Ainda assim, sempre dependendo “da evolução da situação e das respostas que sejam dadas”.
Comentários