Portugal é o 16º país europeu mais avançado no domínio digital

De acordo com o Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade para 2021, da União Europeia, Portugal subiu três lugares e ocupa o 16º lugar do ranking no desempenho do domínio digital.

4 – Portugal

Portugal subiu três lugares no Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade da Comissão Europeia, segundo os dados publicados pela Comissão Europeia que revela os resultados da edição de 2021 do Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade (IDES), instrumento que apresenta o desempenho dos 27 Estados-membros num conjunto de domínios, que vão da conectividade e das competências digitais à digitalização das empresas e dos serviços públicos. A Dinamarca, a Finlândia, a Suécia e os Países Baixos lideram o IDES deste ano, seguidos da Irlanda, malta, Estónia, Luxemburgo, Espanha e da Áustria.

Segundo o Executivo, a edição de 2021 do IDES revelou a subida de três lugares de Portugal relativamente à edição de 2020, ocupando agora o 16.º entre os 27 Estados-membros da União Europeia e “refletindo os esforços de desenvolvimento digital da sociedade e da economia nacionais#

Em 2021 o IDES foi simplificado, sendo agora composto por 33 indicadores, na sequência da revisão metodológica para o alinhar com os objetivos digitais da Europa para 2030 (Bússola Digital 2030), cujas quatro dimensões – capital humano, conetividade, empresas e serviços públicos – são coincidentes com o Plano de Ação para a Transição Digital de Portugal.

Segundo os dados da Comissão Europeia, o saldo positivo de Portugal envolve subidas em termos absolutos em 13 indicadores. No capítulo do capital humano, um dos principais destaques foi a subida de seis posições (mais 11%) em termos de especialistas em tecnologias da informação e conhecimento, o que representa uma convergência com a média europeia e para o qual contribui, em grande medida, o aumento expressivo de mulheres, que atingiu 22% do total, colocando Portugal em 9.º lugar neste campo e acima da média da UE.

“Em termos de conetividade, o País ocupa lugares cimeiros quanto à adesão à banda larga fixa rápida (3.º lugar) e à cobertura de rede fixa de capacidade muito elevada (7.º lugar). No indicador relativo à cobertura 4G em alojamentos, encontra-se acima da média da UE, alcançando 99,9% entre o total das operadoras móveis”, frisa o Executivo.

Nas empresas, Portugal lidera o novo indicador da transição gémea (digital e verde) que reflete a adoção de tecnologias digitais com impacto na sustentabilidade ambiental, estando igualmente nos lugares cimeiros no novo indicador de adoção de tecnologias de Inteligência Artificial pelas empresas. Destaca-se ainda a subida de um lugar, para a 4.ª posição, no indicador relativo ao volume de negócios do comércio eletrónico pelas pequenas e médias empresas.

Quanto à Administração Pública, Portugal mantém-se acima da média da UE, destacando-se na disponibilização de serviços públicos digitais para cidadãos e para as empresas, bem como na disponibilização de formulários online de serviços públicos com dados pré-preenchidos.

O Governo recorda que os relatórios por país do IDES combinam provas quantitativas dos indicadores com uma visão das políticas e das boas práticas específicas de cada Estado-membro. “São considerados um instrumento fundamental para diagnosticar e monitorizar a digitalização da economia e da sociedade, servindo como base a políticas públicas para alcançar objetivos e concretizar a convergência com a UE, garantindo que ninguém fica para trás”, conclui.

Recomendadas

Juros da dívida de Portugal caem a dois, a cinco e dez anos

Às 08:35 em Lisboa, os juros a dez anos baixavam para 2,823%, contra 2,916% na segunda-feira.

Assembleia Municipal do Porto aprova orçamento para 2023 (com áudio)

O orçamento da Câmara do Porto para 2023, que contempla um aumento de 20,9% face a 2022, o equivalente a 66,8 milhões de euros, foi aprovado com os votos favoráveis dos eleitos do movimento independente “Aqui Há Porto”, do PSD e do Chega.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta terça-feira

Alemanha e Espanha arrancam com as divulgações da pressão de preços em novembro, embora em fases diferentes do fenómeno. Em ambos os casos, o impacto para a economia da moeda única será substancial, pelo que os investidores procurarão sinais sobre a política monetária europeia de médio-prazo.
Comentários