Portugal é o terceiro país do mundo com mais doações de órgãos

Dados de 2016 revelam que Portugal subiu da quarta posição para a terceira, enquanto país do mundo com mais dadores de órgãos para transplantação.

Portugal está no top3 mundial da doação de órgãos, noticia o “Diário de Notícias” (DN) esta terça-feira. Ao nível do número de transplantes, Portugal está em sexto lugar da lista liderada por Espanha.

Segundo dados de 2016 do relatório sobre transplantes do Conselho da Europa, Portugal subiu da quarta posição para a terceira enquanto país no mundo com mais dadores de órgãos para transplantação.

Com 32,7 dadores falecidos por milhão de habitantes – mais 1,7 que no ano anterior -, Portugal é apenas superado pela Croácia, em segundo lugar da lista (39,5 dadores falecidos) e por Espanha, em primeiro lugar (43,8 dadores por milhão de pessoas).

Quanto ao número de transplantes realizados, embora Portugal tenha aumentado o número de doentes transplantados de 77,2 para 79 por milhão de habitantes, o país ficou em sexto lugar numa tabela também liderada por Espanha.

De acordo com o DN, a principal explicação para esta diferença tem que ver com o facto de existir dadores de órgãos cada vez mais velhos, o que faz com que a qualidade dos órgãos aproveitáveis para transplantação desça.

Relacionadas

Transplante de toda a pele em criança de sete anos realizado com sucesso

O caso foi divulgado pela revista “Nature” e está a ser encarado pela comunidade científica como um marco histórico na medicina regenerativa.

Saúde madeirense prevê dispender 40 milhões de euros em medicamentos

O Serviço de Saúde da Madeira (SESARAM) anunciou que dispende anualmente cerca de 32 milhões de euros em medicamentos, mas deverá atingir os 40 milhões de euros este ano.
Recomendadas

Hospital de Loures pediu desvio de doentes não críticos e teve espera superior a 16 horas

O Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, pediu o reencaminhamento de doentes não críticos para outras unidades, disse à Lusa fonte do Sindicato Independente dos Médicos, tendo o tempo de espera dos doentes considerados urgentes ultrapassado hoje as 16 horas.

SICAD alerta para o risco da pobreza fazer renascer consumos dos anos 80 e 90

O diretor-geral do serviço de intervenção nas dependências alertou hoje para o risco da pobreza fazer renascer os consumos “catastróficos” dos anos 80 e 90, caso não seja reforçada a resposta que está muito carenciada de meios humanos.

Diretor da urgência do Santa Maria alerta para falhas no encaminhamento de doentes

O diretor do serviço de urgências do Hospital de Santa Maria alertou hoje para falhas na rede de referenciação dos serviços de urgência, que encaminham demasiados doentes para aquele serviço quando há alternativas, agravando a pressão sentida.
Comentários