Portugal em sexto lugar entre os países europeus onde as pessoas não vão aos médicos

Portugal está em sexto lugar na lista dos Estados-membros onde as pessoas não vão ao médico por falta de meios financeiros (1,6%), acima da média da União Europeia (UE 1,0%), segundo dados de 2018 hoje publicados pelo Eurostat.

A Grécia é o país com maior taxa de pessoas que não conseguem pagar os cuidados médicos (8,3%), seguindo-se a Letónia (4,2%), Roménia (3,4%), Itália (2,0%), Bélgica (1,7%), Portugal (1,6%), Bulgária (1,5%), Chipre (1,4%) e Polónia (1,1%).

No outro extremo da tabela estão a República Checa e a Finlândia (0,0%), seguida da Alemanha, Espanha, Malta, Holanda, Áustria, Eslovénia, Suécia e Reino Unido (0,1% cada).

O gabinete estatístico da UE regista que na União, 3,6% das pessoas disseram não ter recebido os cuidados médicos de que necessitavam, sendo a maior justificação a do preço (1,0%), seguindo-se a existência de listas de espera (0,9%), espera para ver se melhoram por si mesmas (0,6%) e alegado falta de tempo (0,3%).

Em Portugal, 0,6% das pessoas disseram ter preferido esperar por melhoras e 0,4% desistiram por causa das listas de espera.

Recomendadas

Sysmex investe no aumento da presença no mercado português

O grupo de origem nipónico especializado em diagnósticos e serviços de hematologia, quer aproveitar a retração dos investimentos de outras empresas para cimentar a sua posição no mercado nacional.

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.
Comentários