Portugal entrou há 30 anos na UE. Para comemorar, Avillez vai cozinhar para os líderes europeus

Os líderes da União Europeia reúnem-se hoje em Bruxelas para uma cimeira que terá ao almoço de trabalho pratos de chefs de Portugal e Espanha, para assinalar os 30 anos da adesão dos dois países à Europa.

Por iniciativa portuguesa, a ementa do almoço de trabalho dos chefes de Estado e de Governo da UE fica a cargo dos chefs José Avillez e Pepe Solla, ambos estrelas Michelin, que em conjunto cozinharão uma refeição ibérica, que o primeiro-ministro António Costa disse acreditar que transmitirá um sinal positivo e ajudará as discussões.

“Este ano assinalamos os 30 anos da adesão de Portugal e Espanha à UE e, num momento em que há tanta incerteza na Europa, é bom que haja países que queiram e gostem de assinalar o facto de serem membros da UE. E temos uma excelente forma de o fazer, que é através da demonstração da excelência da cultura gastronómica de Portugal e Espanha”, explicou o primeiro-ministro, António Costa, em Bruxelas, na véspera da cimeira.

O chefe de Governo explicou que a Academia Portuguesa de Gastronomia indicou o ‘chef’ Avillez para representar Portugal e a mulher do chefe de Governo espanhol, Mariano Rajoy, indicou Pepe Solla, “e os dois, em conjunto, decidiram organizar um almoço ibérico, confecionado por ambos, e que será devidamente servido com vinhos portugueses e espanhóis”.

Costa disse acreditar que a refeição auxiliará os chefes de Estado e de Governo da UE a tomar boas decisões no Conselho de hoje, afirmando que “Portugal e Espanha, que têm sempre sido dois países muito construtivos no projeto europeu, darão aqui mais um bom contributo para a construção da Europa”.

As discussões dos líderes centrar-se-ão em questões relacionadas com migrações, defesa e economia, numa cimeira de um só dia, após a qual discutem, já só a “27”, o ‘Brexit’.

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários