Portugal enviou um milhão de euros em medicamentos à Ucrânia

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos. 

O governo português enviou este sábado, 21 de maio, a sexta remessa de medicamentos à Ucrânia, avaliada em um milhão de euros. A carga partiu de Lisboa rumo à Polónia, com o transporte a ser assegurado pela Força Aérea Portuguesa, indicou o Infarmed.

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos.

As autoridades ucranianas identificaram os medicamentos como um dos bens essenciais em falta no país desde o início da invasão russa.

“O fornecimento destes produtos está a ser seriamente limitado por existirem zonas de conflito em constante mudança, assim como, devido a danos nas infraestruturas e circuitos legais”, lê-se no comunicado do Infarmed.

A entidade portuguesa garante que mantém em articulação, com várias organizações do sector, nomeadamente as associações da indústria farmacêutica, de distribuidores grossistas e de farmácias, a fim de assegurar toda esta coordenação.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários