PremiumBlackRock: “Portugal está muito alavancado no turismo”

Em entrevista ao Jornal Económico, André Themuldo, head of sales para Portugal e Espanha da BlackRock, alerta que o turismo levou ao ‘boom’ do imobiliário. Considera, no entanto, que Portugal está a explorar bem a situação a oportunidade.

Qual é o vosso outlook macroeconómico para a Europa?

Estamos underweight em Europa, no sentido geral. Não que não  gostemos da Europa, onde há empresas com bons resultados, empresas globais. 50% das receitas das empresas na Europa vêm de fora da continente, portanto são hoje muito mais globais do que eram. Achamos, no entanto, que há, hoje em dia, regiões com maior atratividade e é por isso é que estamos a ver fluxo para fora da Europa. Há outras regiões como os EUA, que em comparação, estão com muito melhor desempenho do que a Europa. O fortalecimento do dólar também beneficia a competitividade das empresas e exportações europeias.

Pela primeira vez em muitos anos a Europa tem dois países core que falam a mesma língua: França e Alemanha. A integração política é importante. Depois temos os pontos mais negativos, o crescimento do populismo que vemos em Itália, no Brexit, vemos países como a Suécia. Mesmo em Espanha passou-se um bocadinho o que se passou aqui, portanto quem governa não é quem tem mais votos, é apenas uma coligação de todos os partidos de esquerda.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Atualização do IAS aumenta valor máximo do subsídio de desemprego em 93 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai subir mais do que o previsto avançando 93 euros, para 1.201,08 euros, refletindo o aumento de 8,4% do Indexante de Apoios Sociais (IAS) em 2023.

Afinal, pensões mais baixas vão subir 4,83% em janeiro

Pensões até 961 euros vão ter aumento de 4,83%, pensões entre 961 euros e 2.883 euros vão subir 4,49% e pensões acima de 2.883 euros vão crescer 3,89%. Correção das atualização vai custar 110 milhões de euros, aos quais se somam os 1.155 milhões de euros já previstos.
Comentários