Portugal já prepara segurança da visita do Papa

Autoridades portuguesas reúnem-se para preparar plano de segurança para a visita de Francisco a Fátima entre 12 e 13 de maio.

Já foi elaborado um plano preparatório da visita do Papa Francisco a Portugal e a secretaria-geral do Sistema de Segurança Interna está a trabalhar no plano de segurança. O líder da Igreja Católica vai estar em Fátima um dia e meio entre 12 e 13 de maio para a comemoração do centenário das aparições.

O plano preparatório da visita de Francisco define o local da aterragem e como se irá deslocar durante a estada em Portugal, de acordo com o Público. Está planeado que o Sumo Pontífice chegue ao nosso país pela base aérea de Monte Real no dia 12 de maio e regresse a Roma da mesma forma no dia seguinte, depois das cerimónias religiosas.

A procuradora e secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda, está responsável pela articulação das forças e dos serviços de segurança. As reuniões preliminares começaram há já vários meses, mas o plano começa agora a ganhar forma.

Durante a semana passada, os responsáveis das diferentes forças e serviços do Gabinete Coordenador de Segurança reuniram-se para discutir a visita. A reunião incluiu comandantes-gerais da GNR e da Polícia Marítima, directores nacionais da PSP, da PJ e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, responsáveis das secretas, responsáveis da Autoridade Nacional de Aviação Civil e da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

As autoridades portugueses estão também a trabalhar em conjunto com os responsáveis de segurança do Vaticano. Um dos grandes desafios desta visita é o facto de o Papa Francisco ir visitar apenas Fátima e não se deslocar a nenhuma grande cidade, como o próprio expressou que seria a sua vontade.

Se por um lado, o Sumo Pontífice irá estar menos exposto, por outro lado, a afluência de peregrinos esperada em Fátima é bastante superior. A GNR será a principal responsável pelo dispositivo de segurança no terreno. No entanto, em outras ocasiões a tutela do comando da operação ficou a cargo do comando territorial de Santarém, mas desta vez o comando da operação ficará sob a tutela do comando-geral.

Vão ser mobilizadas para a ocasião unidades de intervenção e de segurança e honras do Estado, que incluem o Grupo de Intervenção de Operações Especiais, o Grupo de Intervenção Cinotécnico, o Centro de Inactivação de Explosivos e patrulhamento a cavalo, entre outros.

A GNR fez também mudanças para melhorar e modernizar o sistema de videovigilância do Santuário de Fátima que permite agora gravar imagens com mais definição e maior zoom. Os serviços secretos e a PJ ficarão responsáveis pela recolha de informações e definição do grau de ameaça terrorista no evento, uma avaliação que é ajustada consoante o momento.

Para além da visita do Papa Francisco a Portugal, a Igreja Católica comemora o centenário das aparições de Fátima. A combinação dos dois factores leva a previsões de grande afluência ao santuário entre 12 e 13 de maio.

O recinto de oração tem capacidade para 330 mil pessoas, que podem chegar às 500 mil se se incluirem as imediações. Em toda a zona, não haverá capacidade para mais do que um milhão de pessoas, segundo o departamento de comunicação do Santuário de Fátima.

Outro desafio para a segurança das comemorações e para a visita é o facto de ser esperada a participação de altas figuras de Estado. Só se saberá mais próximo da visita se o controlo documental nas fronteiras portuguesas será reposto, como foi implementado na cimeira da NATO, em 2010.

Relacionadas

Papa Francisco regressa ao Vaticano na TAP em 2017

A transportadora aérea portuguesa também transportou os três anteriores Papas nas suas visitas oficiais a Portugal.

“Eu quero ir a Fátima, só a Fátima, ver a Senhora”, disse o Papa Francisco

O papa deverá estar em Portugal a 12 e 13 de maio de 2017, por ocasião do centenário das aparições.

Fátima na liderança da rede mundial de santuários

A criação de uma associação mundial de destinos religiosos é um dos objetivos do VI Congresso Internacional de Cidades-Santuário.
Recomendadas

Premium“Portugal é um país onde ainda compensa ser-se corrupto”

Quem o diz é o presidente da Transparência Internacional Portugal, Nuno Cunha Rolo. Já a deputada socialista Alexandra Leitão lamenta que se coloquem os políticos todos no mesmo saco.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Corrupção. Em menos de onze meses, já há mais 733 novos inquéritos do que na totalidade de 2021

Entre 1 de janeiro e 25 de novembro de 2022, foram registados 3.598 novos inquéritos relativos a crimes de corrupção e criminalidade conexa, aumento considerável face à totalidade do ano de 2021, período em que deram entrada 2.865 inquéritos, revela a Procuradoria Geral da República em comunicado.
Comentários