Portugal paga dos salários mais baixos da União Europeia nos serviços sociais e cuidados continuados

Em termos de ordenados, estes profissionais ficam apenas atrás dos da Roménia, da Itália e da Eslovénia.

Os trabalhadores do serviço social e dos cuidados continuados em Portugal são os quartos mais mal pagos da União Europeia, revela um relatório da Fundação Europeia para as Condições do Trabalho (Eurofound), divulgado pelo “Diário de Notícias” (DN) na edição desta sexta-feira.

Em termos de ordenados, estes profissionais ficam apenas atrás dos da Roménia, da Itália e da Eslovénia, obtendo apenas 67% do valor da média salarial nacional, segundos os dados mais recentes que permitem comparação entre Estados-membros.

Segundo o DN, para Portugal, o documento prevê que a proporção de trabalhadores ao serviço de cuidados formais represente 3,4% dos empregados, numa proporção ligeiramente acima da média europeia, sendo que a Suécia (7,1%), a Holanda (6,4%) e a Bélgica (5,5%) têm as maiores percentagens.

O relatório do Eurofound aponta ainda indícios de uma forte prevalência de recibos verdes neste sector no país, mas os dados recolhidos referem apenas uma percentagem de quase metade (49%) de trabalhadores independentes entre os enfermeiros da rede de cuidados continuados da zona Centro, com base num estudo da Ordem dos Enfermeiros.

Recomendadas

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.

PremiumPizarro precisa recuperar confiança e mudar políticas

Pela frente, o novo ministro da Saúde terá de, entre outros aspectos mencionados por ex-governantes, melhorar o acesso à saúde e ponderar em cooperar com o sector privado. Alertam que o SNS está pior na resposta à população.
Comentários