Portugal pagou à troika mais de 2 mil milhões em juros e comissões até novembro

O Estado pagou à troika 2.012,4 milhões de euros em juros e comissões até novembro relativos ao empréstimo no âmbito do resgate internacional, de acordo com os números oficiais hoje divulgados. Segundo a síntese da execução orçamental hoje publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), nos primeiros onze meses do ano, Portugal pagou aos credores internacionais […]

O Estado pagou à troika 2.012,4 milhões de euros em juros e comissões até novembro relativos ao empréstimo no âmbito do resgate internacional, de acordo com os números oficiais hoje divulgados.

Segundo a síntese da execução orçamental hoje publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), nos primeiros onze meses do ano, Portugal pagou aos credores internacionais 1.993,8 milhões de euros em juros e mais 18,6 milhões de euros em comissões.

Entre janeiro e novembro de 2013, o Estado tinha pago 1.689,8 milhões de euros em juros relativos ao empréstimo e 55,6 milhões de euros em comissões, totalizando as verbas transferidas para os parceiros internacionais os 1.745,4 milhões de euros naqueles meses do ano passado.

Ao todo, contabilizando todos os instrumentos de dívida direta do Estado, até novembro deste ano, Portugal gastou 7.004,6 milhões de euros com encargos com a dívida, um decréscimo de 1,9% face ao período homólogo, quando estes encargos se situaram nos 6.874,2 milhões de euros.

OJE/Lusa

Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.