Portugal “pensa” antecipar pagamento ao FMI

Portugal ainda não pediu para reembolsar o empréstimo concedido pelo FMI, mas “está a pensar nisso”. A afirmação foi feita pelo diretor executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade, Klaus Regling ao “Market News International”. “Portugal não fez tal pedido, mas sabemos que estão a pensar nisso. Veremos quando chegar o pedido. Poderá ser uma consideração […]

Portugal ainda não pediu para reembolsar o empréstimo concedido pelo FMI, mas “está a pensar nisso”. A afirmação foi feita pelo diretor executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade, Klaus Regling ao “Market News International”.

“Portugal não fez tal pedido, mas sabemos que estão a pensar nisso. Veremos quando chegar o pedido. Poderá ser uma consideração semelhante. As taxas de juro portuguesas também caíram imenso. Estão abaixo dos custos dos empréstimos do FMI, mas a situação não é tão definida como na Irlanda. Por isso, veremos como é que a situação do mercado se desenvolve”, disse.

O caso da Irlanda, para Regling, era “muito claro”. Dublin havia “atingido um ponto em que o financiamento de mercado era muito mais barato do que o empréstimo do FMI e, como tal, era no interesse de todos os outros credores, incluindo o Fundo Europeu de Estabilidade Financeiro (FEEF, que antecedeu o ESM), que a Irlanda substituísse empréstimos caros por outros mais baratos, porque isso fortalece a sustentabilidade da dívida.”

Regling opina que “os países que pediram empréstimos ao FEEF e ao ESM estão a sair-se bem” e “se continuarem o seu processo serão as economias mais bem sucedidas da Europa”.

“Outros países que não atravessaram programas têm de fazer melhor, em particular as maiores economias na Europa”, acrescentou.

Há um mês, o ministro das Finanças irlandês considerou que Portugal não tinha vantagem em pagar antecipadamente o empréstimo do FMI, como a Irlanda quer fazer, mas que será uma boa estratégia no futuro se os juros da dívida continuarem a descer. Michael Noonan disse, na altura, aos jornalistas, à entrada para a reunião informal do Eurogrupo, em Milão, que falou com a ministra da Finanças portuguesa sobre a intenção de Dublin de reembolsar antecipadamente cerca de 18 mil milhões de euros dos 22,5 mil milhões emprestados pelo FMI, no âmbito do programa de assistência internacional no valor global de 85 mil milhões de euros.

“Falei com Maria Luís Albuquerque e Portugal certamente apoia-nos. Acho que não é oportuno para Portugal fazer o mesmo por agora, mas poderá ter vantagem no futuro”, afirmou o responsável da Irlanda pela pasta das Finanças.

 

 

Recomendadas

Irão: Guarda Revolucionária ataca grupos curdos no Iraque

A poderosa Guarda Revolucionária do Irão desencadeou hoje uma onda de ataques com ‘drones’ e artilharia no norte do Iraque, visando o que Teerão diz serem bases de separatistas curdos iranianos, indicou agência noticiosa semioficial Tasnim.

António Guterres pede fim da “era da chantagem nuclear” e apela a “recuo”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou hoje ao fim da “era da chantagem nuclear”, afirmando que o uso de armas nucleares levaria a um “armageddon humanitário”, tornando necessário um “recuo” face às atuais tensões.

Ucrânia. Reino Unido sanciona organizadores de “referendos fraudulentos”

O Reino Unido anunciou hoje sanções contra 33 indivíduos ligados a “referendos fraudulentos” sobre a integração na Rússia de regiões da Ucrânia sob ocupação russa.