Portugal pode ter “papel mais forte” na vacinação nos países em desenvolvimento, defende Ordem dos Médicos (com áudio)

A Ordem dos Médicos defende que Portugal pode ter “papel mais forte” na vacinação nos países em desenvolvimento, nomeadamente junto da comunidade dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Bastonário Miguel Guimarães argumenta que a vacinação é um instrumento “fundamental” para vencer a pandemia da Covid-19 e sinaliza ainda que vai reforçar contactos com as suas congéneres nos PALOP para colaborar.

Cristina Bernardo

Nesta sexta-feira, 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, o bastonário da Ordem dos Médicos defende que Portugal pode ter um papel mais forte na vacinação dos países em desenvolvimento, mais concretamente junto da comunidade dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Miguel Guimarães argumenta que que “a vacinação é um instrumento fundamental para vencermos a pandemia da Covid-19”. Mas alerta que este é um dossier que “não pode ser gerido país a país, já que desde o primeiro momento ficou demonstrado que o vírus não conhece fronteiras”.

“Por ocasião do Dia Internacional dos Direitos Humanos, a ONU já nos veio alertar que a pandemia trouxe um aumento preocupante das desigualdades, a começar pelas taxas desproporcionadas de infeção e morte nas comunidades mais marginalizadas”, explica o bastonário da Ordem dos Médicos.

Miguel Guimarães lamenta que “o aparecimento de novas variantes não é um sinal de falência das vacinas. É, sim, um sinal de um mundo que caminha a várias velocidades e em que os países mais ricos fizeram o seu percurso isoladamente, deixando uma vez mais para trás as sociedades menos estruturadas”.

O bastonário entende que a União Europeia, como um todo, pode ter um papel “crucial” nesta temática, e que Portugal pode ter um papel mais forte junto dos PALOP, sinalizando que a Ordem dos Médicos vai reforçar contactos com as suas congéneres nos PALOP para perceber a melhor forma de colaborar.

“Neste dia não posso também deixar de expressar a minha preocupação com o aumento das barreiras no acesso à saúde, tanto em Portugal como em outros países, em especial para os doentes não Covid-19, sinal de que muitas vezes o combate à pandemia não foi estruturado com base em princípios éticos”, conclui Miguel Guimarães.

Recomendadas

Chuva atingiu em 24 horas 63% dos valores de todo o mês de dezembro

Patrícia Gomes, meteorologista de serviço no Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), disse à agência Lusa que a precipitação caída desde o final da tarde de quarta-feira “não tem nada de extraordinário, uma vez que é inverno e situações de chuva são bastante recorrentes nesta altura do ano”.

Mau tempo. Mais de 100 pessoas obrigadas a sair de casa na Amadora, segundo a Proteção Civil

O comandante de operações José Miranda disse à Lusa que desde o início do alerta – 00:00 de dia 07 até às 07:00 de hoje – foram registadas 849 ocorrências

Mau tempo: Sapadores de Lisboa registam 292 ocorrências devido a inundações

Fonte dos Sapadores Bombeiros de Lisboa disse à Lusa esta manhã que das 292 ocorrências registadas, “a grande maioria, 162 foram inundações em espaços privados, habitações, e 96 na via pública”.
Comentários