Portugal poderá perder cerca de 6% de visitantes britânicos em 2021 com ‘Brexit’ duro

Estudo da Comissão Europeia de Viagens realça que Espanha seria o país mais afetado em número de viajantes, enquanto a Islândia regista a maior perda em termos percentuais.

Portugal poderá perder quase 6% de visitantes britânicos em 2021 caso venha a existir um ‘Brexit’ duro, de acordo com um estudo da Comissão Europeia de Viagens (ETC em inglês).

Assim, de acordo com a entidade, caso a saída do Reino Unido seja concretizada através do pior cenário, Portugal deverá perder 5,8% de turistas daquele país, face a previsões base, que não incluem este efeito, sendo que no total de viajantes internacionais a chegar a território nacional poderá reduzir-se em 0,6%.

Em números concretos, um ‘Brexit’ duro poderá reduzir o número de visitantes do Reino Unido de 2,4 milhões para 2,3 milhões, segundo o relatório da ETC (European Travel Commission).

Ainda assim, são valores inferiores aos previstos para Espanha, que a ETC estima que possa perder cerca de 1,3 milhões de viajantes internacionais, uma queda de perto de 7%.

“Espanha é o país mais afetado em número de viajantes, enquanto a Islândia regista a maior perda em termos percentuais”, adiantou a ETC.

De acordo com o estudo da ETC, entre janeiro e julho deste ano a chegada de turistas internacionais aumentou 8,3% em Portugal, em termos homólogos.

O mesmo relatório destaca ainda a posição do país quanto à captação do mercado americano, tendo aumentado “face a um período anterior deste ano”, segundo a ETC, acompanhado pela Suécia e Noruega.

Ao nível europeu, Espanha foi este ano o país que menos cresceu em chegadas internacionais de turistas.

No topo da lista surge Montenegro (+18,1%), Turquia (+14,7%), Luxemburgo (+10,1%), Lituânia (+9,3%) e a Eslováquia (+9%).

Recomendadas

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.
Comentários