Portugal recebeu 64 milhões de Bruxelas para ajudar no acolhimento de refugiados ucranianos (com áudio)

De um pacote de 3,5 mil milhões destinado aos Estados-membros que abram portas aos refugiados ucranianos, Portugal recebeu cerca de 64 milhões.

A Comissão Europeia pagou 3,5 mil milhões de euros de adiantamentos aos Estados-Membros para os ajudar a gerir a chegada ao seu território de pessoas que fogem da guerra na Ucrânia, incluindo quase 64 milhões de euros para Portugal.

De acordo com o comunicado divulgado esta quinta-feira pelo executivo comunitário, os pagamentos surgem no âmbito da iniciativa REACT-EU e foram efetuados na sequência do programa de Ação de Coesão a favor dos Refugiados na Europa (CARE) da União Europeia. Recorde-se que, na semana passada, a Comissão Europeia propôs uma alteração ao orçamento da União Europeia (UE) para 2022 para assegurar o apoio às pessoas que fogem da guerra da Ucrânia, causada pela invasão russa, visando principalmente ajudar os Estados-membros recetores.

Assim, Portugal recebeu 63.765.893 euros, um valor que se encontra longe daquele recebido pela Polónia — país que recebeu a maior fatia e que tem acolhido um maior número de refugiados —, cerca de 562 milhões de euros ou até mesmo da vizinha Espanha, que recebeu um apoio de 434 milhões.

“Na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, a Comissão mobilizou todos os esforços para apoiar os civis que fogem da guerra e para ajudar os Estados-Membros a acolhê-los e apoiá-los”, lê-se no comunicado da Comissão Europeia.

Na mesma nota, os responsáveis explicam que foi introduzida “a possibilidade de mobilizar de forma flexível os recursos disponíveis da política de coesão no âmbito dos programas de 2014-2020, a possibilidade de cofinanciamento a 100 % e propôs um aumento de 3,5 mil milhões de euros do pré-financiamento ao abrigo da iniciativa REACT-E”.

A contribuição da UE reduzirá os encargos adicionais para os orçamentos públicos dos Estados-Membros, uma vez que as despesas que podem ser cobertas são elegíveis retroativamente a partir da data da invasão da Ucrânia. Está disponível aqui uma repartição mais pormenorizada por país.

Recomendadas

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Mais de 200 corpos encontrados em cave de Mariupol

Informação foi avançada por Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol.
Comentários