Portugal registou a terceira maior redução da dívida entre os países europeus (com áudio)

Rácio da dívida pública face ao PIB caiu 3,3 pontos em Portugal, entre o segundo e o terceiro trimestre de 2022. Foi o terceiro maior recuo do Velho Continente. Só a Grécia e o Chipre conseguiram diminuições mais acentuadas.

Cristina Bernardo

Portugal foi dos países europeus onde o rácio da dívida pública face ao Produto Interno Bruto (PIB) mais caiu no terceiro trimestre, em comparação com os três meses anteriores. Em causa está uma redução de 3,3 pontos percentuais, mantendo-se, ainda assim, a dívida portuguesa entre as mais pesadas do Velho Continente.

De acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat, entre julho e setembro, o rácio da dívida pública em relação ao PIB situou-se na zona euro em 93%, abaixo dos 94,2% registados no trimestre anterior. Também na União Europeia (UE) verificou-se um recuo: nesse caso, de 86,4% para 85,1%.

“Tanto na zona euro como na UE, a redução do rácio da dívida pública foi explicada por uma subida do PIB mais expressiva do que o crescimento da dívida, em termos absolutos”, nota o gabinete de estatísticas.

No mesmo sentido, em comparação com os dados registados há um ano, o rácio da dívida pública em relação ao PIB recuou tanto na área da moeda única (97,3% para 93%) como no bloco comunitário (89,7% para 85,1%).

Já entre os vários Estados-membros, foi a Grécia que registou, no terceiro trimestre, o maior peso da dívida na sua economia: 178,2%. Nessa lista, Portugal aparece em terceiro lugar (120,1%), logo a seguir à Itália (147,3%).

Ainda assim, em cadeia, Portugal foi dos países europeus que mais viu o peso da sua dívida pública no PIB cair. Em maior detalhe, a Grécia verificou um decréscimo de 5,3 pontos percentuais, seguindo-se o Chipre (3,8 ponto percentuais) e, logo depois, Portugal (3,3 pontos percentuais).

Em contraste, a Bulgária, a República Checa, França e a Suécia viram o rácio em causa aumentar, entre o segundo e o terceiro trimestre do ano: 1,9 pontos percentuais, 1,7 pontos percentuais, 0,3 pontos percentuais e 0,2 pontos percentuais, respetivamente.

Por outro lado, em termos homólogos, o cenário foi o seguinte: a liderar os recuos, esteve a Grécia (-24,7 pontos percentuais), seguindo-se o Chipre (-15 pontos percentuais) e a Croácia (-11,1 pontos pontos).

Portugal ficou em quarto lugar, nessa lista, com uma redução de nove pontos percentuais. Já a República Checa registou o maior aumento do rácio da dívida pública (4,7 pontos percentuais).

Atualizada às 11h21

Recomendadas

PremiumEfeitos base levam Portugal a liderar crescimento europeu

Os 6,7% de 2022 ficam bem acima dos 3,5% da zona euro e até da previsão de 6,5% do Governo, mas refletem um atraso na recuperação da economia nacional. Inflação voltou a recuar abaixo da europeia, mas core ainda preocupa.
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

Governo mantém apoios aos combustíveis em fevereiro. Gasolina com maior desconto

Esta decisão significa que, em fevereiro, há um alívio na carga fiscal dos combustíveis. Considerando todas as medidas em vigor, a redução da carga fiscal passará a ser de 35,9 cêntimos por litro de gasóleo e de 34,8 cêntimos por litro de gasolina, refere o gabinete de Fernando Medina.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 3 de fevereiro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta sexta-feira.
Comentários