Portugal Smart Cities Summit: entidades públicas devem estar na linha da frente da transição digital

Debate sobre a “‘Digitalização Sustentável da Sociedade – Que Futuro?” destacou a importância das entidades públicas criarem as “condições estruturais” para que a comunidade se possa posicionar de “forma competitiva” na transição digital.

As entidades públicas devem ser promotoras das cidades inteligentes e estar na linha da frente da transição digital, defenderam os participantes no painel sobre ‘Digitalização Sustentável da Sociedade – Que Futuro?’, integrado na Portugal Smart Cities Summit 2021, que se iniciou esta terça-feira, 16 de novembro, em Lisboa.

Este debate do primeiro dia da Portugal Smart Cities Summit 2021, que tem o “Jornal Económico” como media partner, contou com a presença de Luís Newton, presidente da Junta de Freguesia da Estrela, no concelho de Lisboa; Ricardo Gonçalves, em representação do presidente da Câmara Municipal do Fundão; Fátima Madureira, presidente da Agência da Modernização Administrativa; e Luís Neves, CEO da Global Enabling Sustainability Ínitiative (GeSI).

Ricardo Gonçalves defendeu que compete às entidades públicas criar as “condições estruturais” para que a comunidade se possa posicionar de “forma competitiva” na transição digital. O autarca acrescentou que, no caso do Fundão, têm sido feitas iniciativas, numa perspetiva “participada e colaborativa”, entre elas a aprendizagem da programação informática para crianças a partir dos seis anos.

Também Luís Newton considerou o maior envolvimento das autarquias com a sociedade como um desafio, assim como o aumento de eficácia dos serviços. “Não há cidades inteligentes sem serviços inteligentes”, disse.

Acrescentou, também, que os serviços têm não só recolher das populações as suas “principais ansiedades, objetivos, e até as suas frustrações”, mas também “implementar as respostas que as populações anseiam”.

Luís Newton defendeu que cabe aos serviços públicos ter uma estrutura que permita dar “resposta organizacional e de organização do território” e deu o exemplo da Junta de Freguesia da Estrela, onde procurou “descomplicar os processos internos” e ter a “capacidade de implementar soluções para ligar a comunidade” e ser capaz “de projetar os serviços no território”.

Digitalização continua a acelerar

O Estado tem sido uma entidade essencial para desenvolver os processos de digitalização, especialmente num contexto de aceleração provocado pela pandemia de Covid-19.

Segundo a presidente da Agência da Modernização AdministrativaFátima Madureira, a resposta tem sido no sentido de “dar acesso digital para todos”, mas mantendo o atendimento presencial, apontando como indispensável assegurar que as pessoas que não sabem lidar com a tecnologia “tenham também acesso aos serviços do Estado”.

Fátima MadureiraDestacou a Loja do Cidadão, que considerou ser uma “evolução importante”, também como um “instrumento de proximidade” com o cidadão que tenta dar resposta à questão da literacia digital. “Temos também o Espaço Cidadão que é uma tentativa de ajudar as pessoas que não conseguem resolver as coisas digitalmente. Já temos 800 Espaço Cidadão, o que está acima das nossas expetativas”, acrescentou.

Os processos de digitalização poderão conhecer uma nova aceleração com a quinta geração de comunicações móveis (5G), que Luís Neves vê como um “game changer”, que vai permitir ligar todos os sectores de atividade e gerar mais inovação e dinâmicas diferentes.

Para o CEO da GeSI, o 5G é uma tecnologia que é importante para as smart cities, que, na sua opinião, não existem em Portugal. “Está muito longe [de ter cidades inteligentes]”, disse.

“A tecnologia tem de estar ao serviço da sociedade. Nem todos têm acesso à tecnologia. Isso requer investimento e decisão dos poderes políticos”, afirmou, acrescentando que o país “está no caminho certo, mas temos de dar acesso tecnológico às pessoas”.

A Portugal Smart Cities Summit iniciou-se esta terça-feira, 16 de novembro, no Pavilhão 2 da Feira Internacional de Lisboa, no Parque das Nações, com 12 sessões de debates e a participação de 72 diferentes oradores, de acordo com a organização, da responsabilidade da Fundação AIP.

O evento, que decorrerá até 18 de novembro, quinta-feira, conta com o Jornal Económico como media partner e está aberto à presença de público mediante inscrição prévia online, em portugalsmartcities.fil.pt.

As sessões de debate serão transmitidas através da plataforma JE TV, através do site (www.jornaleconomico.pt) e das redes sociais do Jornal Económico.

 

Relacionadas

Matos Fernandes defende medidas de promoção dos transportes coletivos

O ministro do Ambiente e da Acção Climática deu início à Portugal Smart Cities Summit e falou também nos objetivos de descarbonização. “Só as cidades e as autarquias são capazes de fazer a ponte entre esta obrigação [de descarbonização] e, ao mesmo tempo, a necessidade dessa transição ser justa, não deixando para trás ninguém”, disse.

Portugal Smart Cities Summit: CEO da GESI vê 5G como “gamechanger” para gerar mais inovação

O Global CEO da CESI referiu que o 5G é uma tecnologia que é importante para as smart cities, e afirmou que Portugal “está muito longe” de ter cidades inteligentes.

Ameaças cibernéticas tornaram-se mais frequentes e sofisticadas durante a pandemia

A conferência sobre “Confiança no Digital”, promovida pela Microsoft Portugal e de que o Jornal Económico foi media partner, contou com a participação de António Gameiro Marques, diretor-geral do Gabinete Nacional de Segurança (GNS); de Pedro Miguel Machado, Data Protection Officer do Grupo Ageas Portugal; e de Eduardo Antunes, diretor-executivo do Sector Público da Microsoft Portugal.
Recomendadas

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.

Investigadores de Coimbra “preparam” refeições à base de algas da Figueira da Foz

Algas existentes nos penedos da praia da Tamargueira, em Buarcos, Figueira da Foz, estão na base de um projeto que inclui sopas, pratos salgados e sobremesas.
Comentários