Portugal sobe duas posições no Ranking Mundial de Talento e é agora o 24.º mais competitivo

Portugal melhora sobretudo na Investigação & Desenvolvimento e na Preparação. O podium mundial é liderado pela Suíça, Suécia e Islândia, as três economias mais competitivas em talento a nível mundial entre os 63 países analisados pela escola de negócios IMD.

Portugal ocupa a 24ª posição no Ranking Mundial de Talento do IMD World Competitiveness Center 2022, registando uma subida de duas posições face ao ano anterior, o que marca uma inversão de tendência face à queda que vinha registando desde 2018, ano em que obteve o melhor resultado de sempre, o 17.º lugar.

Os resultados, divulgados, esta quinta-feira, 8 de dezembro, revelam que Portugal regista uma subida de duas posições face ao ano anterior e os resultados ficam marcados pelo crescimento do país nos fatores “Investimento & Desenvolvimento” e “Preparação”.

Elaborado pela escola de negócios IMD, o ranking conta na sua elaboração a nível nacional com a Porto Business School como parceira exclusiva.

Na liderança das economias mais competitivas em talento a nível mundial num grupo de 63 países analisados surge a Suíça, seguida pela Suécia e pela Islândia.

No que diz respeito ao “I&D” (Investigação e Desenvolvimento), Portugal subiu três posições comparativamente a 2021, passando de 25.º para 22.º, devido ao desempenho positivo dos critérios 1) rácio alunos/professor na educação primária e 2) rácio de alunos/professor na educação secundária.

A participação feminina na força de trabalho (49,7%) surge, também, como um dos principais destaques. Em contrapartida, a formação dos colaboradores constitui a maior fraqueza. Neste fator, Portugal ocupa o lugar 61 em 65.

Ainda como ponto positivo, destaque para a “Preparação”, tendo, aqui, o país registado uma subida de seis posições, subindo de 25º para o 19º, justificada pelo desempenho positivo do critério de competências linguísticas. Apesar da subida na posição geral, Portugal regista uma descida de 10 lugares no fator “Atratividade”, posicionando-se, agora, no 40º lugar. Esta posição é  fundamentado pelo desempenho dos critérios de atração e retenção de talento, o índice de motivação dos colaboradores, a fuga de talento e a perceção de justiça, que registam um baixo desempenho.

Ramon O’Callaghan, dean da Porto Business School,  considera que, segundo os dados, “a atração e a retenção de talento, a motivação dos colaboradores e a fuga de talento devem merecer a atenção dos líderes e dos gestores das empresas. Mais do que atrair talento, o desafio de Portugal é ser capaz de retê-lo. O salário e os benefícios são um fator importante na tomada de decisão dos profissionais, mas não o único”.

Acrescenta: “É importante apresentar e integrar os profissionais em projetos mais atrativos e investir na conversão e reconversão de talentos, através de investimento na formação e desenvolvimento das pessoas. É também importante desenhar modelos de trabalho que promovam a flexibilidade, que implica uma maior responsabilidade na gestão do trabalho e um maior equilíbrio entre a vida profissional e pessoal”.

 

Países europeus dominam Top 10 do Talento mundial

O ranking 2022 do IMD monstra que as economias europeias continuam a fortalecer a sua posição de liderança e de domínio do Top 10, à semelhança do que aconteceu em 2021. Destaque, no entanto, para o Peru, que foi o país que mais cresceu, escalando 16 lugares. Seguiu-se a República Checa e a Arábia Saudita, que subiram oito posições/cada, e a Croácia, que subiu sete posições.

A Suíça manteve o primeiro lugar do ranking, consolidando a liderança alcançada nas últimas sete edições e que resulta do desempenho sustentado nos fatores em avaliação: “Investimento & Desenvolvimento” (1º), “Atratividade” (1º) e “Preparação” (em que subiu do 3º para o 2º lugar). Refira-se, aqui, que a Suíça se destaca pelo elevado grau de aprendizagem, força laboral estrangeira altamente qualificada, remuneração significativa de gestores e profissionais de serviços, bem como pela experiência internacional.

A Suécia, por sua vez, mantém a segunda posição do ranking, resultado das melhorias no desempenho em “Atratividade” – subiu do 3º para o 2º lugar -, apesar do decréscimo na “Preparação”, em que desceu de 4º para o 6º. Neste caso, o desempenho tem como base a qualidade da educação e qualificação, que não dificulta a competitividade na economia, a diminuta exposição à poluição de partículas, a abundância de gestores superiores altamente qualificados e a experiência internacional, a par das competências linguísticas.

A Islândia completa o pódio ao subir três posições, suportada pelo “Investimento & Desenvolvimento” (4º lugar), “Atratividade”, em que passou do 10º para o 8º lugar, e “Preparação” (da 17ª posição para a 13ª). A performance positiva assenta, neste caso, nos índices de experiência pública na educação por aluno, na elevada qualidade de vida, na remuneração dos profissionais de serviços, bem como nas competências laborais e financeiras demonstradas. A subida deste país surge em detrimento do Luxemburgo, que deixa, assim, o terceiro lugar, descendo quatro posições, fixando-se no sétimo posto, muito devido ao imposto sobre o rendimento pessoal cobrado.

 

 

Recomendadas

Ligações ferroviárias de Lisboa a Corunha e Madrid entre projetos apoiados pela UE

O executivo comunitário anunciou hoje que escolheu 10 projetos-piloto que apoiará para estabelecer novos serviços ferroviários ou melhorar os já existentes, apontando que, no seu conjunto, “irão melhorar as ligações ferroviárias transfronteiriças em toda a União Europeia, tornando-as mais rápidas, mais frequentes e mais acessíveis”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

“Temos o melhor pipeline de sempre em oportunidades de negócio”, salienta CEO da Webhelp Portugal

O crescimento desta empresa que proporciona serviços de apoio ao cliente, permite aumentar o investimento e criar ainda mais postos de trabalho, de acordo com Carlos Moreira, o administrador da Webhelp em Portugal, no podcast “JE Entrevista”.
Comentários