Portugal tem a quarta menor taxa de ofertas de emprego da União Europeia

No terceiro trimestre deste ano, Portugal registou a quarta menor taxa de ofertas de emprego da União Europeia, de acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat. Abaixo de Portugal apenas se encontra a Grécia, a Bulgária e Espanha. Segundo o organismo de estatística da União Europeia, a taxa de ofertas de emprego na […]

No terceiro trimestre deste ano, Portugal registou a quarta menor taxa de ofertas de emprego da União Europeia, de acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat. Abaixo de Portugal apenas se encontra a Grécia, a Bulgária e Espanha.

Segundo o organismo de estatística da União Europeia, a taxa de ofertas de emprego na zona euro foi de 1,9% no terceiro trimestre de 2017, enquanto a de Portugal se fixou bastante abaixo: 0,9%.

A taxa de ofertas de emprego na zona euro manteve-se estável em relação ao trimestre anterior e ficou acima dos 1,6% registados no período homólogo de 2016. Já na União Europeia, a taxa de ofertas de emprego foi de 2%, o que representa igualmente uma subida face aos 1,7% do terceiro trimestre do ano passado.

“Entre os Estados-Membros para os quais existem dados comparáveis, as taxas de ofertas de emprego mais altas no terceiro trimestre de 2017 foram registadas na República Checa (4,1%), na Bélgica (3,6%), na Alemanha (2,7%), na Áustria e no Reino Unido (2,6%), na Holanda (2,5%) e na Hungria (2,4%). Em contraste, as taxas mais baixas foram observadas na Grécia (0,5%), na Bulgária e em Espanha (0,8%) e em Portugal (0,9%)”, refere o Eurostat.

Relacionadas

Taxa de desemprego deverá cair para 6,1% em 2020, prevê o Banco de Portugal

O Banco de Portugal estima que o aumento do emprego no setor privado (devido à retoma económica) e as tendências demográficas vão fazer a taxa de desemprego regressar para perto da média observada no início da década de 2000.

Emprego na zona euro aumenta 0,4% no terceiro trimestre

O Eurostat divulgou esta quarta-feira os dados do emprego na zona euro e na União Europeia no terceiro trimestre de 2017.
Recomendadas

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.

Governo recupera proposta para aumentar valor das horas extraordinárias

Em nove páginas, o Governo apresenta mais de 20 propostas aos parceiros sociais, no âmbito do acordo de rendimentos. Quer reforçar as horas extra, valorizar salários, simplificar as obrigações e baixar o IRC, mas não de modo transversal, como defendeu o ministro da Economia.
Comentários