Portugal tem a taxa de mortalidade mais alta da Europa em casos de pneumonia

A cada 90 minutos morre um doente em território nacional vítima desta doença. Maior número de óbitos ocorrem nos distritos de Beja, Setúbal, Portalegre, Santarém e Faro.

Portugal é de todos os países da União Europeia, aquele em que mais se morre por pneumonia, com a taxa de mortalidade a ser mais do dobro da média na Europa. A cada 90 minutos morre um doente em território nacional vítima desta doença nos hospitais públicos, de acordo com o relatório do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias, que é revelado esta quinta-feira e ao qual a edição do “Jornal de Notícias” teve acesso.

No total dos 13.474 óbitos por doenças respiratórias verificados em 2016, 44,6% foram devido a pneumonia, sendo a taxa de mortalidade dos doentes internados de 20%. Ao nível dos internamentos, as “maiores incidências são em distritos do interior, nomeadamente Bragança, seguido por Castelo Branco, Vila Real e Portalegre.

Em relação à mortalidade são os distritos de Beja, com 25%, das mortes, seguindo-se Setúbal (24%), Portalegre (22%) e Santarém e Faro, ambos com 21%.

Este relatório indica também dados relativos à doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) que “em 15 anos passou de quinta causa de morte para a terceira”, estimando-se que 800 mil portugueses sofram desta doença, sendo que “apenas estavam referenciados nos centros de saúde 132 mil”.

Em 2016, a DPOC foi responsável por 20,7% do total de mortes registadas por doenças respiratórias. Entre 2007 e 2016, o número total de internamentos aumentou 26% e o número de consultas cresceu 1,3%.

Recomendadas

Lusíadas Saúde desliga iluminação externa de todos os hospitais e clínicas a partir de 1 de outubro

Esta ação vai implicar desligar a sinalética externa de todos os edifícios, designadamente a iluminação de carater informativo ou decorativo das fachadas dos edifícios pertencentes ao Grupo, tais como lonas e estandartes publicitários, bem como a iluminação de jardins.

Subfinanciamento do Estado pode colocar em causa qualidade dos cuidados continuados, revela estudo

O valor pago pelo Estado a instituições da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) é “significativamente inferior” aos custos, um subfinanciamento que pode colocar em causa a qualidade dos serviços, alerta um estudo hoje divulgado.

Governo decide não renovar estado de alerta em território nacional

O ministro da Saúde justifica a decisão com “o elevado nível de vacinação na população portuguesa”.
Comentários