PremiumPortugal tem de garantir uma nova geração de professores

A principal ameaça é o desequilíbrio entre as diferentes faixas etárias.

O último relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) centra a sua atenção no envelhecimento do corpo docente para lançar o alerta: Portugal precisa garantir que tem pronta uma nova geração de professores. Segundo a OCDE, o problema é não só os professores serem cada vez mais velhos, como comprova o relatório “O Estado da Educação 2017”, do Conselho Nacional da Educação (ver págs. 2 e 3), mas sobretudo haver pouquíssimos professores jovens. A proporção de jovens professores “diminuiu para menos de 1% do total”, vinca a organização, acrescentando outro dado importante: em 2015/2016, apenas 18,1% dos professores tinham menos de 40 anos. Conclui-se daqui um claro desequilíbrio entre as diferentes faixas etárias, o que compromete a substituição natural de quem ensina nas escolas. Como se resolve?

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumFaculdade Egas Moniz muda de nome e investe no perfil de “universidade cívica”

Quatro décadas a formar profissionais de saúde e um processo de internacionalização bem sucedido dão à agora renomeada Egas Moniz School of Health & Science a aspiração de, a curto prazo, vir a ter o curso de Medicina.

Premium“Garantimos um ambiente universitário cada vez mais multicultural”

Será o ensino superior português inclusivo? Responsáveis pela vertente internacional das universidades procuram responder à questão.

PremiumRede 5G, um ano e quatro mil antenas depois

Portugal arrancou com a tecnologia de quinta geração a 26 de novembro. NOS, a primeira a lançar, revela que conta com 3.200 estações instaladas.
Comentários