Portugal vai fazer novo reembolso de mil milhões ao FMI

O IGCP pretende realizar um novo reembolso de mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional até ao final do ano, segundo uma apresentação aos investidores internacionais, que está disponível no site da entidade liderada por Cristina Casalinho. Com este reembolso, o total devolvido ao FMI em 2017 ascenderá a 10 mil milhões de euros, […]

O IGCP pretende realizar um novo reembolso de mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional até ao final do ano, segundo uma apresentação aos investidores internacionais, que está disponível no site da entidade liderada por Cristina Casalinho.

Com este reembolso, o total devolvido ao FMI em 2017 ascenderá a 10 mil milhões de euros, o que significa que a dívida do país ao fundo passará a ser de 3 mil milhões de euros.

De acordo com o documento, os reembolsos ao FMI vão continuar em 2018 e 2021, com pagamentos de 800 milhões e 1,8 milhões de euros, respetivamente.

Na apresentação, o IGCP defende que “Portugal superou a crise europeia, com o reequilíbrio da economia e as reformas estruturais a suportarem a retoma”.

 

Recomendadas

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.

Governo recupera proposta para aumentar valor das horas extraordinárias

Em nove páginas, o Governo apresenta mais de 20 propostas aos parceiros sociais, no âmbito do acordo de rendimentos. Quer reforçar as horas extra, valorizar salários, simplificar as obrigações e baixar o IRC, mas não de modo transversal, como defendeu o ministro da Economia.
Comentários