Portugal vai ser o país da OCDE com a maior taxa de crescimento económico em 2022

Ao apresentar a maior taxa de crescimento em 2022, Portugal vai superar em 1,6 pontos percentuais o nível de atividade económica de 2019, ou seja, do pré-pandemia.

Cristina Bernardo

O relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) confirmou as projeções conhecidas no início do mês e as previsões do Governo: Portugal vai ser o país da OCDE com a maior taxa de crescimento económico no próximo ano.

Ao apresentar a maior taxa de crescimento em 2022, Portugal vai superar em 1,6 pontos percentuais o nível de atividade económica de 2019, ou seja, do pré-pandemia. Assim, prevê-se uma “forte recuperação da economia nos anos seguintes: o PIB deverá aumentar 14% entre 2021 e 2023”, escrevem o Ministério das Finanças e o Ministério da Economia e Transição Digital em comunicado.

“A OCDE reconhece que as diversas medidas de apoio à economia, lançadas pelo Governo, contribuíram materialmente para uma rápida e acentuada recuperação económica, após a maior recessão de que há registo estatístico”, lê-se no comunicado do Executivo.

O Governo evidencia ainda que o relatório da OCDE destaca as medidas adotadas no país para enfrentar os efeitos socioeconómicos da pandemia, “nomeadamente as medidas de apoio ao emprego e às empresas”, como foi o exemplo da manutenção dos postos de trabalho, os subsídios diretos às empresas, as linhas de créditos e moratórias e os diferimentos de impostos e contribuições.

O Executivo lembra ainda que a taxa de desemprego se situa, atualmente, abaixo do nível verificado na pré-pandemia. Além deste dado, a OCDE faz ainda menção ao facto de Portugal ter a taxa de vacinação mais elevada de todos os países da OCDE e de, por este facto, ter evitado vagas mais severas em termos de infeções, hospitalizações e mortes.

“O documento salienta ainda a resiliência acrescida do sistema financeiro português face à anterior crise financeira, apesar das fragilidades inerentes à capitalização, endividamento e dimensão das empresas portuguesas”, indica o comunicado. Este foi também um dado referido por diversas vezes por parte do Governo.

Ainda assim, a OCDE optou por recomendar a adoção de instrumentos de quase-capital para a prevenção de falência de empresas afetadas pela pandemia, tendo sido nesse sentido que o Governo aprovou em Conselho de Ministros “um novo instrumento de quase-capital, através de um novo regime jurídico dos empréstimos participativos”.

“A OCDE defende a manutenção de políticas públicas que suportem a atividade operacional e o crescimento de empresas economicamente viáveis, muito em linha com o que já está a ser feito pelo Governo. Destaca igualmente a importância de uma rápida e eficaz implementação dos fundos provenientes da resposta extraordinária da União Europeia perante a pandemia, NextGenerationEU, entre os quais, naturalmente, se distingue o Plano de Recuperação e Resiliência nacional, que também já se encontra em execução”, evidencia o Executivo de António Costa.

O relatório da OCDE indica ainda “a importância da melhoria da gestão financeira pública, nomeadamente a implementação da lei de enquadramento orçamental”.

“No relatório é prestada especial atenção ao sector do turismo, nomeadamente através da sua relevância para o futuro e competitividade da economia portuguesa. Nesse campo, indica-se o sucesso de algumas das medidas adotadas para proteger este sector durante a pandemia (por exemplo, o Programa IVAucher) e como ajudaram a manter a capacidade de produtividade das empresas de Restauração e Alojamento”.

A OCDE evidencia também a importância de reforçar o sistema nacional de saúde com profissionais como enfermeiros e médicos. O comunicado do Governo nota que os dados do Portal da Transparência do SNS mostram a existência de mais sete mil enfermeiros agora do que em 2018, observando-se um aumento de 17%.

Relacionadas

OCDE recomenda que Portugal trate “vulnerabilidades” macroeconómicas para recuperação sustentável

A OCDE assinala que Portugal tem vindo a recuperar de uma recessão profunda, fazendo várias recomendações ao país para uma recuperação mais sólida, ao mesmo tempo que responde aos “desafios sociais e ambientais” e “aproveitar” a transição digital.

OCDE recomenda que Portugal considere a criação de uma empresa nacional de gestão de ativos

OCDE recomenda para Portugal que o reforço de incentivos para os bancos reduzirem os seus empréstimos não produtivos, caso se revelem insuficiente.

Carga fiscal portuguesa ficou 1,3 pontos percentuais acima da OCDE em 2020

Segundo um relatório estatístico sobre receitas fiscais hoje divulgado pela OCDE, a carga fiscal em Portugal, que foi de 34,8% em 2020, ficou acima da média do conjunto dos países da organização, que foi de 33,5%.
Recomendadas

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.

TdC identifica mais de 12 mil milhões de euros de despesa com 186 benefícios fiscais em 2021

O organismo alerta para a inconsistência com os 336 benefícios mencionados pela Autoridade Tributária, para a concentração do recurso a estas medidas em poucos beneficiários e para a falta de avaliação quanto ao impacto real das mesmas.
Comentários