Portugal Ventures investe em startup algarvia que torna hotéis mais eficientes

A sociedade pública de capital de risco, do grupo Banco Português de Fomento, fez este investimento na MTI – Managing the Intelligence, superior a 500 mil euros, no âmbito da quarta edição da ‘Call Turismo’. E atenção aos empreendedores do turismo: há mais candidaturas abertas.

A Portugal Ventures (PV) anunciou esta segunda-feira que o seu mais recente investimento, de mais de meio milhão de euros, foi na startup algarvia MTI – Managing the Intelligence, que se dedica a desenvolver dispositivos de Internet das Coisas (ou IoT) e software de inteligência artificial para o mercado da hotelaria e alojamento local.

A diretora financeira da MTI considera que este financiamento reconhece o “esforço” e a “paixão” da sua equipa, bem como o “potencial inovador e disruptivo” da MTI Smart Room, uma solução digital de eficiência energética, criada pela empresa, que se instala em qualquer sistema e marca de ar condicionado e visa aumentar o conforto térmico dos hóspedes, reduzir o custo com a fatura da eletricidade e ajudar os empreendimentos turísticos a cumprirem os seus critérios de ESG (Environmental, Social & Governance).

Com a tecnologia desenvolvida pelos empreendedores portugueses Miguel Silva e Sofia Romão, os gestores hoteleiros podem controlar os equipamentos de aquecimento de acordo com o check-in e check-out dos hóspedes. O MTI Smart Room está instalado em mais de 400 quartos em Portugal, mas o objetivo é internacionalizar o negócio noutros países da Europa.

“[A ronda de investimento] irá potenciar o crescimento sustentado da MTI com o objetivo de nos tornarmos numa referência a nível global, juntando a tecnologia à sustentabilidade do planeta que habitamos. A parceria com a Portugal Ventures irá proporcionar à MTI aceder às melhores práticas corporativas, a uma rede e comunidade de empreendedorismo e inovação de excelência, fazendo com que o caminho para o sucesso seja mais rápido e com maior impacto”, sublinha Sofia Romão.

A sociedade pública de capital de risco, do grupo Banco Português de Fomento, fez este investimento no âmbito da quarta edição da ‘Call Turismo’, lançada no final do ano passado, para reanimar a recuperação do turismo. Desde a primeira chamada, a PV recebeu mais de 240 candidaturas, com um montante total de 150 milhões de euros.

“Este investimento tem como objetivo apoiar o crescimento da oferta de produtos e serviços que transformem o sector turístico num sector cada vez mais responsável em termos de sustentabilidade, eficiência energética e pegada ecológica. Acreditamos que, ao investir neste tipo de soluções tecnológicas, estaremos a trabalhar para tornar Portugal num destino cada vez mais sustentável e alinhado com a Estratégia do Turismo 2027”, diz Pedro de Mello Breyner, vogal executivo do conselho de administração da PV e responsável pelo Turismo.

Fundada em 2019, a MTI tem sede na cidade de Faro e nasceu de um spin-off do Centro de Investigação Tecnológica do Algarve, da Universidade do Algarve.

Mais 5 milhões para melhorar o turismo

O início da semana é ainda marcado pelo lançamento da quinta edição da ‘Call Turismo’, em parceria com o Turismo de Portugal e o Nest – Centro de Inovação para o Turismo. O investimento será de entre 200 mil euros e um milhão de euros e destina-se a projetos que contribuam para a inovação, sustentabilidade e eficiência do turismo, como por exemplo automação, reciclagem, reutilização e redução de resíduos, integração de energias limpas, eficiência energética e hídrica e mobilidade inteligente. O total alocado é de 5 milhões de euros, previstos no Plano Reativar o Turismo – Construir o Futuro.

Que empresas são elegíveis?

  • Não tecnológicos, que apresentem conceitos diferenciadores para a oferta turística do país, que contribuam para o enriquecimento da experiência do turista e o reforço da competitividade de Portugal como destino turístico.
  • Tecnológicos, que apresentem soluções que permitam melhorar a eficiência das empresas do sector do turismo e da sua oferta de produtos e serviços.
Recomendadas

À beira dos 100 anos de vida, Disney está prestes a perder os direitos sobre o Mickey

Os direitos de autor sobre a personagens estão quase a expirar e vão passar para domínio público, como consequência da lei dos Estados Unidos.

Jogos Olímpicos 2024. Empresa portuguesa recebe cinco milhões para construção arquitetónica

O contrato está inserido numa operação de 136 milhões de euros e visa a construção da Arena Porte de la Chapelle, que vai servir de palco para os Jogos de 2024.

MP pede ao Tribunal da Concorrência para manter coima de 48 milhões à EDP e empresa pede absolvição

O Ministério Público pediu hoje ao Tribunal da Concorrência para manter a coima de 48 milhões de euros aplicada à EDP Produção por abuso de posição dominante, tendo a empresa defendido a absolvição “pura e simples”.
Comentários