PortugalFoods apresenta sector agroalimentar no regresso à SIAL Paris!

A maior feira de inovação alimentar do mundo, a SIAL Paris, está de regresso em outubro de 2022. Num contexto desafiante, marcado pela incerteza imposta pela guerra na Europa, a promoção internacional é mais importante do que nunca.

 

Quatro anos depois da última edição, a SIAL Paris, a grande plataforma internacional de negócios da indústria agroalimentar na Europa, está de volta. Depois da pandemia ter obrigado ao cancelamento da edição de 2020, a maior montra alimentar do sector regressa ao lugar de sempre, no Parque de Exposições de Paris Nord Villepinte, na capital francesa, entre 15 e 19 de outubro de 2022, e Portugal não podia faltar à chamada.
Será a quinta participação da indústria nacional neste certame, sob a marca-chapéu da PortugalFoods, sendo ainda possível às empresas portuguesas interessadas em participar garantirem o seu lugar no evento.

A importante plataforma para a concretização de negócios, onde a indústria mais inovadora se mostra a muitas dezenas de milhares de compradores internacionais, SIAL Paris 2022 contará com 7.200 expositores, em 21 sectores de exposição, provenientes de mais de 115 países. Na última edição, durante os cinco dias, passaram pela feira um recorde de 310 mil visitantes profissionais, oriundos de cerca de 200 mercados (menos de um terço são clientes franceses, o que posiciona a SIAL Paris como um ponto de encontro global para negócios de todas as nacionalidades).

“Depois de dois anos muito duros para a indústria, em que os confinamentos impuseram restrições à mobilidade das empresas e dos compradores, afetando a capacidade de participação em feiras, o restabelecimento, que esperamos, da quase normalidade da realidade pré-pandemia é uma boa notícia para o sector, que, finalmente, volta a poder dar a provar o sabor, a qualidade e a excelência da oferta agroalimentar nacional”, avança o presidente da PortugalFoods, Amândio Santos.

O líder da associação que gere o Portuguese Agrofood Cluster, e  responsável pela promoção internacional, com vista ao crescimento e aumento de competitividade do sector, não esconde que o atual cenário – marcado pela incerteza e imprevisibilidade trazidas pelo regresso da guerra à Europa e que têm vindo a afetar as cadeias de abastecimento e a agravar o aumento dos preços – está a impactar especialmente a indústria alimentar. E é precisamente por isso que, mais do que nunca, é vital que as empresas do sector estejam na linha da frente da promoção internacional e presentes nas principais montras das feiras internacionais.

“Neste contexto, tão desafiante, a promoção internacional é crítica para o sector alimentar. Por um lado, é importante assegurar aos parceiros internacionais de sempre que continuamos aqui, a ir ao encontro das tendências e da inovação, a oferecer a nossa qualidade, tão reconhecida além-fronteiras. Mas, sobretudo agora, numa altura em que as cadeias de produção e logísticas se estão a reconfigurar, dada a disrupção provocada pela situação que se vive na Ucrânia e na Rússia, ainda é mais crítico que as empresas portuguesas garantam visibilidade aos olhos dos compradores internacionais. A promoção internacional será, pois, ainda mais fundamental para o sector nestes próximos tempos”, explica Amândio Santos.

 

A resiliência do sector é prova do sucesso da promoção internacional

 

Na última edição da SIAL Paris, em 2018, estiveram em exposição 72 empresas portuguesas, um recorde de presenças, sob a marca-chapéu da PortugalFoods, que ocupou um espaço de 1.000 metros quadrados. Uma “mancha” de visibilidade que dá bem nota do crescimento sustentado da “marca Portugal” nesta feira, que, em 2012, aquando da primeira participação da PortugalFoods, contou com a participação de 16 empresas nacionais em 250 metros quadrados.

O sector agroalimentar português exportou, em 2021, 7,1 mil milhões de euros, um crescimento de cerca 13 % face ao ano anterior. “Se o sector nacional mostrou tamanha resiliência e robustez nos anos de crise que foram marcados pela Covid-19, tal deve-se ao facto de ter há muito trilhado um caminho sólido de internacionalização, conseguindo demonstrar, nos mercados externos, que está entre os melhores e que tem a capacidade de antecipar as necessidades dos consumidores. O agroalimentar português é tradição, mas também é inovação e estas duas facetas não têm de se excluir, pelo contrário, até são complementares”, considera o presidente da PortugalFoods.

Na edição anterior, mais de 2.355 produtos inovadores estiveram em competição no SIAL Innovation Awards. O objetivo, para 2022, é dar ainda mais espaço à novidade e à inovação, com as empresas participantes poderem também estar presentes nos diferentes eventos e fóruns que compõem o programa de cinco dias desta feira e ficar a par das grandes tendências mundiais do sector, incluindo as Alternative Food Talks, o Future Lab ou o SIAL Start Up, entre outros. Para participarem na SIAL Paris 2022, dedicada ao mote “Inspire Food Business”, as empresas portuguesas podem inscrever-se no site da PortugalFoods.

A participação da PortugalFoods na SIAL Paris 2022 é uma iniciativa financiada pelo COMPETE2020, Portugal2020, Algarve2020, Lisboa2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a PortugalFoods.

Recomendadas
Nuno Melo

Nuno Melo vai pedir intervenção de Bruxelas e do BCE para as “falhas” do Banco de Fomento

Nuno Melo denuncia que o banco ainda não apresentou contas de 2020. A Comissão Europeia tem competência para acompanhar os fundos cuja gestão será cometida ao BPF e o BCE para verificar porque não há ainda um presidente do Conselho de Administração.

Luís Figo é embaixador de marca de óleos feitos a partir da cannabis

O antigo jogador de futebol é a cara da LF.CBD, empresa que cria óleos para a pele, que defende terem benefícios para o estado mental de quem os utiliza.

Vista Alegre ainda com prejuízos mas com forte recuperação

Com um aumento de quase 60% do volume de negócios, o grupo reduziu a dívida líquida em um milhão de euros, o que revela, diz, a solidez da sua tesouraria.
Comentários