Em português nos entendemos

A língua portuguesa ocupa um espaço significativo no mapa linguístico mundial e é a quarta língua mais falada do mundo, o que faz dela uma importante ferramenta de comunicação ao nível global.

Num mundo cada vez mais dominado por uma língua franca, o inglês, temos assistido à desvalorização da diversidade linguística. Esta realidade leva-nos, por vezes, a esquecer a riqueza e diversidade da nossa língua e a pensá-la como um instrumento menor de afirmação económica, científica e cultural e a reduzi-la à condição de língua falada em Portugal.

Contudo, a língua portuguesa ocupa um espaço significativo no mapa linguístico mundial e é a quarta língua mais falada do mundo. É utilizada em todos os continentes do globo e nas mais importantes organizações internacionais de carácter regional e está representada nas organizações internacionais de carácter global. É, portanto, uma importante ferramenta de comunicação ao nível global.

O facto de se espalhar por tantos contextos, latitudes e longitudes faz com que seja uma língua rica em diversidade. Lembro-me que, ainda recentemente, uma pessoa me dizia que o seu português não era o melhor, precisava de mais prática. Realmente, talvez não fosse o português que se fala em Portugal, mas era um português enriquecido pela experiência que essa pessoa tinha de falar nove línguas.

Enquanto a maioria de nós tem a língua portuguesa e uma língua estrangeira como referência, esta pessoa transporta consigo mais nove referências que dialogam com a sua própria língua. O seu português não era mau, a presunção de que o português deve apenas ser falado como o é em Portugal é que não é correta. Afinal, ser global significa estar em diferentes locais e para tal ser representativo em diversas culturas e, devido a isso, aceitar que as falas podem ser diferentes, mas a língua é a mesma.

Nesse sentido, foi recentemente lançado o livro Novo Atlas da Língua Portuguesa, da autoria de Luís Antero Reto, Fernando Luís Machado e José Paulo Esperança, editado com o apoio do Instituto Camões e do Ministério dos Negócios Estrangeiros. O prefácio de Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, é de uma lucidez enorme, percorrendo as várias vertentes ligadas à língua portuguesa e desmistificando essa ligação forçada da língua apenas a Portugal, mostrando a sua multiplicidade e valor.

A obra apresenta-se com uma organização virada para o presente e o futuro, mais do que o passado, apesar da contextualização diacrónica que proporciona. As imagens, gráficos, quadros e mapas são de excelente qualidade, e permitem ter uma visão diferenciada por território (sem esquecer as diásporas dos países lusófonos), mas também uma perspetiva global.

Houve, igualmente, o cuidado de traduzir a obra para o inglês para mostrar a realidade da língua portuguesa. Porque em português nos entendemos, mas sabemos que nem todos entendem português.

 

Recomendadas

Desistência ou insistência nacionais?

A distribuição de poder dentro do espaço que delimita um país tem sido central no estudo da organização humana e política do Homem.

Foco na capitalização das empresas ultrapassa o domínio fiscal

Apesar das medidas de incentivo à capitalização das empresas irem no caminho certo, os desafios só poderão ser superados através do uso de instrumentos mais “interventivos”, os quais por sua vez exigem mudanças da mentalidade empresarial em geral.

CSRD: mais siglas, mais regulação, mais sustentabilidade. Vamos passar à ação!

Uma das novidades é a consagração da verificação da informação por terceiros. Com o objetivo de evitar o ‘greenwashing’ e garantir que as organizações divulgam informações verdadeiras.
Comentários