Portuguesa miio chega a França com 55 mil postos de carregamento e está a contratar

A empresa portuguesa da área da mobilidade elétrica anunciou esta segunda-feira a entrada no mercado francês, com a possibilidade de carregamento em 55 mil postos de carregamento. Além de França, a miio já atua no mercado espanhol.

Depois de Espanha, a miio entra mercado francês com mais de 55 mil postos de carregamento para veículos elétricos. Com a entrada em França, a empresa diz reforçar a intenção de ter uma comunidade cada vez maior de clientes que possam utilizar todos os serviços, facilitando a mobilidade elétrica entre diferentes países.

A partir de agora, de Portugal a França, passando por Espanha, qualquer utilizador pode viajar de veículo elétrico com apenas uma solução de carregamento. A empresa portuguesa tem o objetivo de tornar a utilização e carregamento de veículos elétricos mais prática e conveniente.

Através da app da miio é possível aceder à localização dos 55 mil postos de carregamento no mercado francês, onde se poderá carregar um veículo elétrico com a empresa portuguesa. Até ao momento a miio já conta com 88 mil utilizadores.

“Com esta expansão, o nosso grande objetivo é o de simplificar a mobilidade elétrica para cada vez mais utilizadores”, diz numa nota enviada a co-fundadora e CEO da miio, Daniela Simões, acrescentando que a start-up conseguiu “cobrir a maior parte do território francês, eliminando assim mais um entrave à transição energética na mobilidade”.

“Queremos que a mobilidade elétrica seja tão ou mais prática e conveniente como a tradicional. Para isso, precisamos de simplificar todos os processos relacionados à condução de veículos elétricos, para todos os condutores”, salienta ainda.

A miio conta atualmente com uma equipa de 19 elementos e encontra-se a contratar novos recursos para apoiar o seu crescimento e internacionalização. O objetivo, dizem, é continuar a desenvolver novos produtos e serviços que possam ser utilizados em Portugal e noutros países.

Recomendadas

PremiumTAP teme impacto do risco de recessão nas suas receitas em 2023

Companhia aérea nacional diz que a capacidade este ano está a 90% dos níveis pré-pandemia. Aumento dos custos do jetfuel já está a afetar fortemente as operações da companhia. Acordos coletivos estarão “no topo da lista de prioridades” da TAP em 2023.

Sindicatos anunciam marcha silenciosa na terça-feira para protestar contra situação na TAP

Três sindicatos do sector da aviação apelaram aos associados para participarem numa “marcha silenciosa” inédita na terça-feira para “continuar a chamar a atenção de todos” para a situação que, “infelizmente, hoje se vive na TAP Air Portugal”, foi anunciado.

Eletricidade. Comercializadores proibidos de repercutirem custos na fatura depois da polémica com a Endesa

A medida visa garantir que os consumidores já isentos não venham a pagar mais na fatura devido ao mecanismo ibérico. Somente os contratos de fornecimento de eletricidade a preços fixos celebrados depois de 26 de abril é que são impactados pelos custos do mecanismo.
Comentários