Portugueses ainda aderem ao telefone fixo. Uso de serviço móvel abaixo da média europeia

Em termos de serviço móvel, Portugal encontra-se abaixo da média europeia, apenas com 116,3 acessos entre 100 habitantes. A média da UE situa-se em 122,6 acessos por 100 habitantes.

Os números de telefone começados por 21 já começam a ser escassos, mas Portugal contraria a tendência que se verifica a nível da União Europeia. A UE contabiliza 35,8 acessos por 100 habitantes ao serviço telefónico fixo, enquanto Portugal conta com 50,6 acessos, sendo um dos três países (a par da Áustria e Grécia) em que o serviço cresceu.

No dia em que se celebra o Dia Mundial das Telecomunicações, a Anacom comparou o retrato das comunicações elétricas em Portugal e na UE em 2021, de forma a perceber em que nível se situa o nosso país face à média europeia.

Numa análise à tabela de preços, a Anacom dá conta de que em fevereiro de 2020 “os preços das telecomunicações em Portugal aumentaram 0,9%, enquanto na UE aumentaram 0,6% (taxa de variação média dos últimos 12 meses)”. “No entanto, entre o final de 2009 e fevereiro de 2022, os preços das telecomunicações em Portugal aumentaram 8,9% enquanto na UE diminuíram 9,6%”.

Em termos de serviço móvel, Portugal encontra-se abaixo da média europeia, apenas com 116,3 acessos entre 100 habitantes. A média da UE situa-se em 122,6 acessos por 100 habitantes.

No acesso à internet residencial, apenas 87% das famílias portuguesas fazem recurso desta tecnologia, enquanto a média europeia ronda os 92%. Os reformados ou pessoas com mais idade, com níveis de escolaridade mais baixos ou famílias com rendimentos mais reduzidos são os que menos usaram a internet residencial em 2021.

“Portugal é o quarto país da UE com maior proporção de acessos com 100 Mbps ou mais”, nota o estudo da Anacom. Nas famílias portuguesas a taxa de acesso à banda larga fixa de 81% (77% UE), enquanto a banda larga móvel apenas representa 47% dos acessos (58% UE).

A Anacom evidencia que “a utilização individual de serviços over-the-top, cresceu no caso do instant messaging, com 75% (70% UE) e das chamadas de voz e vídeo 66% (65% UE)” e que “as redes sociais, a frequência de cursos online e a utilização de material de aprendizagem online também foram acima da média da UE, 65% (57% UE), 20% (18% UE) e 27% (21% UE), respetivamente”. Ou seja, em termos do uso de tecnologia, Portugal encontra-se acima da média da UE.

No entanto, os portugueses mostram que ainda não confiam no acesso à internet a tempo inteiro. No que toca ao internet banking, apenas 52% faz uso do acesso à conta bancária por telemóvel, enquanto na UE o acesso é realizado por 58% da população.

O comércio online segue o mesmo caminho, com muitos portugueses ainda a desconfiar da sua veracidade. Apenas 40% dos portugueses realizaram compras online, contra os 56% efetuados na UE, e o estudo mostra que 27% dos portugueses nunca realizaram uma compra online, colocando Portugal como o quarto país da UE com o valor mais elevado.

Em termos de vendas, apenas 10% dos portugueses refere que já procedeu à venda de artigos, enquanto na UE esse valor se fixou em 17%.

Recomendadas

The Big Ones. Apple: serviços crescem, receitas do iPhone caem

The Big Ones destaca semanalmente as inovações e movimentos estratégicos das empresas que lideram a nova economia.

Portugal à porta do ‘top 10’ da Europa na capacidade de produzir baterias (com áudio)

Numa altura em que o mercado dos veículos elétricos cresce a olhos vistos, os dados projetados para 2030 apontam para uma capacidade de 48 GWh, num ‘ranking’ liderado pela Alemanha, que leva uma larga vantagem para os outros países europeus.

Doutor Finanças avança com sistema que permite maior agilidade a acompanhar clientes (com áudio)

As ferramentas são dirigidas aos intermediários de crédito franchisados e vão permitir ter a ajuda de uma equipa de profissionais.
Comentários