Portugueses confiam mais nas seguradoras do que na banca

A Associação Portuguesa de Seguradores considera que este resultado “é fruto de uma preocupação constante das seguradoras em prestar um serviço de maior qualidade aos seus clientes”.

Os portugueses confiam mais nas seguradoras do que na banca, de acordo com o estudo European Customer Satisfaction Index (ECSI – Portugal 2017), divulgado hoje.

O ECSI visa medir a qualidade dos bens e serviços disponíveis no mercado nacional de um país, através do nível de satisfação demonstrado pelos clientes. Segundo o relatório de 2017, o setor dos seguros regista resultados superiores aos conseguidos pelo setor bancário em todas variáveis do estudo.

Na variável “confiança”, os seguros obtêm um resultado de 7,91, contra os 7,61 dos bancos. Na “qualidade apercebida”, a variável em que as seguradoras obtêm o melhor resultado, conseguem uma nota de 8,07, contra os 7,98 da banca. Na de “valor apercebido”, regista-se a maior diferença entre os dois setores: 6,83 nos seguros (a variável com nota mais baixa do setor) contra 6,22 da banca.

A Associação Portuguesa de Seguradores, num comunicado à imprensa, regista “a consistência deste resultado ao longo do tempo, em todas as vertentes analisadas”. A APS considera que tal “é fruto de uma preocupação constante das seguradoras em prestar um serviço de maior qualidade aos seus clientes”, e que “o investimento humano em formação, em informação, em ações de literacia financeira e em tecnologia tem sido muito significativo”, sendo “decisivo” para a “obtenção deste resultado”.

Recomendadas

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.

BPI Gestão de Ativos pontua em indicador de investimento das Nações Unidas

A organização Princípios para o Investimento Responsável atribuiu à gestora a classificação de cinco estrelas em Investimento e Política de Envolvimento.

Haitong faz aumento de capital de 15,9 milhões para converter DTA

Em consequência, o capital social do banco de investimento passa a ser no montante de 863,3 milhões de euros.
Comentários