PremiumPortugueses da LegalVision vão apoiar mais advogados em Espanha

A ‘legaltech’ com ADN português prepara-se para expandir o negócio na Europa, após ter recebido financiamento no valor de três milhões de euros por parte da Portugal Ventures e de fundo francês.

Miguel Figueiredo e Gonçalo Alves são os dois portugueses por trás da empresa LegalVision, que recorre à tecnologia para agilizar os processos jurídicos corporativos através de uma solução que permite aos profissionais gerir, criar, rever, validar e assinar documentos. A plataforma cria formulários personalizados, que automatizam o processo jurídico desde a recolha e validação dos dados até à garantia de que consta a informação necessária.

Os fundadores da legaltech (startup de tecnologia jurídica) dizem que a adoção do software que desenvolveram registou aumentos nas taxas médias de crescimento mensal de 10% de novos clientes durante o confinamento, reconfirmando que a pandemia acelerou a digitalização de todos os sectores. Ademais, anunciou recentemente que fechou uma ronda de três milhões de euros, no âmbito de uma operação de coinvestimento com a Portugal Ventures e um fundo de capital de risco francês.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Pares Advogados assessoraram Sevenair Academy na compra dos ativos da norte-americana L3Harris Technologies

Com esta aquisição, que teve lugar após a entrada de um novo acionista na empresa – o “family office” Worldapproach, de Isaías Gomes Teixeira – a Sevenair Academy torna-se a maior escola de formação de pilotos da Europa, com duas bases de formação (Cascais e Ponte de Sor).

PremiumPorto Law Summit debate sociedades multidisciplinares

As sociedades multidisciplinares – formadas por advogados e outros profissionais – estão a chegar. O bastonário Luís Menezes Leitão, que se recandidata ao cargo, não está disponível para as aceitar.

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.
Comentários