Portugueses dão nota positiva ao Governo na gestão da pandemia

Quase metade dos portugueses (48%) estão satisfeitos com decisões tomadas pelo Executivo durante o ano, principalmente os mais velhos e as mulheres.

Twitter

Os portugueses consideram que o Governo tem tido um bom desempenho na gestão da pandemia. Quase metade (48%) dos portugueses acreditam que o Executivo tem feito um bom trabalho desde que o coronavírus atingiu Portugal no mês de março, de acordo com o barómetro da Aximage para o “JN”, o “DN” e a “TSF”, divulgado esta quarta-feira, 30 de dezembro.

Por outro lado, 19% dão nota negativa ao Governo de António Costa, com maior destaque entre os homens e os habitantes da região Norte, que tem sido a mais atingida pela Covid-19. Os portugueses de menores rendimentos são quem dá maior nota positiva ao Governo (54%), em particular os cidadãos mais velhos (65 e mais anos), que são o grupo mais vulnerável: 63% assumem que o governo tem estado “bem” ou “muito bem”.

Nos restantes três escalões etários que compõem a amostra, o único desvio assinalável refere-se aos que têm 35 a 49 anos, mas porque optam por se refugiar no “assim-assim” (45%). As mulheres são quem se mostram mais compreensivas com o Governo: 52% dão nota positiva (mais nove pontos percentuais do que os homens), enquanto as avaliações negativas têm predominância masculina (24%).

Esta sondagem foi realizada pela Aximage para o  “JN”, o “DN” e a “TSF” com o objetivo de avaliar a opinião dos portugueses sobre temas relacionados com a Covid-19. O trabalho de campo decorreu entre os dias 19 e 22 de dezembro e foram recolhidas 812 entrevistas entre maiores de 18 anos residentes em Portugal. Foi feita uma amostragem por quotas, com sexo, idade e região, a partir do universo conhecido, reequilibrada por sexo, idade, escolariedade e região. À amostra de 812 entrevistas corresponde um grau de confiança de 95% com uma margem de erro de 3,4%. A responsabilidade do estudo é da Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direção técnica de José Almeida Ribeiro.

Recomendadas

Embaixador russo em Lisboa diz que anexações são “direito consagrado na Carta da ONU”

O embaixador russo em Lisboa, Mikhail Kamynin, transmitiu hoje ao Governo português que a realização de referendos nas regiões ucranianas anexadas pela Rússia corresponde a “um direito consagrado na Carta das Nações Unidas”.

Entregas ao domicílio da IKEA serão totalmente elétricas até 2025, diz CEO

A meta para 2030 é ser uma empresa positiva para o clima, isto é, reduzir mais gases de efeito estufa do que aqueles que são emitidos por toda a sua cadeia de valor.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários