Portugueses dizem que tratamento médico não é acessível

Avaliando os sistemas de saúde da União Europeia em 2018, 3,6% das pessoas com mais de 16 anos consideraram que as suas necessidades médicas não foram atendidas. O motivo mais relatado foi que o tratamento não é acessível, considerando que este era “muito caro”.

O estado da saúde em Portugal tem sido duramente criticado pelos mais diversos setores e partidos. No Orçamento de Estado para o próximo ano estão destinados mais de 11 mil milhões de euros para o setor que tem sido liderado por Marta Temido, sendo este um incremento superior a 900 milhões de euros em comparação com o ano passado.

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, defendeu que o sistema de saúde português “é um dos melhores do mundo”, algo que não é corroborado pelos dados divulgados pelo Eurostat na semana passada. De acordo com estes dados, Portugal encontra-se na lista de países onde os cidadãos consideram que os tratamentos médicos não são acessíveis.

Avaliando os sistemas de saúde da União Europeia em 2018, 3,6% das pessoas com mais de 16 anos consideraram que as suas necessidades médicas não foram atendidas. O motivo mais relatado foi que o tratamento não é acessível, considerando que este era “muito caro”, sendo que outro motivo se prende com a existência de uma lista de espera.

No ano passado, a Grécia registou o maior descontentamento em relação às suas necessidades médicas não atendidas, com 8,3%, seguindo-se a Letónia com 4,2%, Roménia com 3,4%, Itália com 2% e Bélgica com 1,7%. Portugal surge em sexto lugar, com 1,6% dos portugueses a evidenciarem falta de atendimento às necessidades médicas, sendo seguido pela Bulgária com 1,5%, Chipre com 1,4% e Polónia com 1,1%.

Contrariamente, as taxas de descontentamento mais baixas verificaram-se na República Checa e na Finlândia, com queixas próximas dos 0%, sendo que na maioria dos países membros da União Europeia menos de 1% da população relatou necessidades médicas não atendidas por razões financeiras.

Recomendadas

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Respostas Rápidas: como pode aceder ao complemento solidário para idosos ou outras pensões?

A propósito do Dia Internacional do Idoso e dado o envelhecimento cada vez maior da sociedade portuguesa, importa compreender como podem os contribuintes aceder a vários apoios disponibilizados pela Segurança Social.

ComparaJá lança Guia da Reforma para ajudar pensionistas mas não só

Desde da definição de conceitos base aos apoios adicionais da reforma, passando por investimentos para a reforma, este documento lançado pelo ComparaJá promete ajudar todos os pensionistas
Comentários