Portugueses gastaram 960 milhões de euros em bens de grande consumo no Natal de 2017

Bombons, figuras de chocolate ou bolachas foram alguns dos produtos mais adquiridos pela sociedade portuguesa no período natalício do último ano.

Os portugueses gastaram cerca de 960 milhões de euros em bens de grande consumo no período do Natal de 2017. Naquela que é a época mais importante para as vendas neste setor, verificou-se no Natal do último ano o dobro do crescimento do total do ano (8% no Natal versus 4% anuais), segundo um estudo da Nielsen divulgado esta sexta-feira.

Os chocolates foram os produtos mais procurados, seguidos por outros produtos como o bacalhau, as carnes típicas desta época, as bebidas alcoólicas, os perfumes, os frutos secos e as bolachas. O bacalhau congelado foi comprado por 36% das famílias portuguesas, tendo apresentado crescimentos de dois dígitos, sendo o grande responsável pelo dinamismo da categoria. Em 2017, o bacalhau congelado registou um crescimento de 10% enquanto o bacalhau seco se manteve estável.

Contudo, no Natal de 2017, o bacalhau seco manteve um peso superior a 90% do total de volumes vendidos da categoria, influenciado pela forte aposta promocional (75% das vendas em valor foram feitas com promoção). As bebidas alcoólicas também se destacaram nesta época, em particular as bebidas espirituosas, as destiladas, o vinho do Porto e o vinho espumante.

Marta Teotónio Pereira, client consultant senior da Nielsen, refere que “os portugueses continuam a demonstrar um grande envolvimento com a época natalícia, período em que se mostram mais disponíveis para o consumo. Na fase que vivemos de transformação do retalho e do consumidor, estamos expectantes para assistir às novidades do Natal deste ano”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Famílias e empresas deverão sentir aumento dos juros no primeiro semestre de 2023

Previsão da Allianz Trade aponta também que os critérios para a atribuição de crédito às famílias e empresas já estão a ter um maior impacto no último trimestre deste ano.

Foram criadas quase tantas empresas este ano como em 2019

Os primeiros 11 meses de 2022 ficaram marcados por um crescimento do número de novas empresas e por um recuo das insolvências. Isto apesar da incerteza e da subida dos custos, que acabou por ser agravada pela guerra na Ucrânia.
Comentários