Portugueses no Reino Unido em contrarrelógio para completar teste à Covid-19 antes de viajar

Portugueses residentes no Reino Unido estão num contrarrelógio para obter testes à Covid-19 antes de embarcar para Portugal, obrigatórios a partir de quinta-feira, mas deparam-se com falta de capacidade ou atrasos na entrega de resultados dos laboratórios britânicos.

Aeroporto de Heathrow, Londres | Richard Heathcote/Getty Images

“Está a ser um sufoco”, admitiu São Aleixo, cujo namorado, que é motorista em Birmingham, no centro de Inglaterra, tem viagem marcada para a véspera de Natal, mas ainda não conseguiu realizar o teste PCR ao SARS-Cov-2.

“Ele já ligou para uma série de laboratórios, incluindo aquele aconselhado pela [transportadora aérea] Easyjet, mas não conseguem assegurar o resultado em 24 horas. Muitos nem sequer garantem resultado em 48 horas ou não têm mais vagas”, revelou à agência Lusa a partir de Portugal, onde aguarda ansiosamente o reencontro.

Marco Filipe confirma e insurge-se contra a falta de clareza, porque o comunicado oficial do Governo português indica ser possível fazê-lo à chegada a Portugal, mas as companhias aéreas ameaçam não autorizar o embarque em aeroportos britânicos sem um resultado do teste feito nas 72 horas anteriores.

As mesmas dificuldades em realizar testes estão a ser partilhadas por outros portugueses nas redes sociais, onde se podem ler informações contraditórias sobre os procedimentos.

Nos seus ‘sites’ oficiais, Ryanair e Easyjet informam que são necessários comprovativos de resultado negativo e a TAP Air Portugal faz saber que um regime de exceção à apresentação do teste termina às 23:59 de dia 23 de dezembro.

Um porta-voz da companhia Easyjet explicou à agência Lusa que uma tolerância foi autorizada por Lisboa para vigorar entre dias 21 e 23 de dezembro.

“A partir da meia-noite desta noite, apenas os nacionais e residentes em Portugal serão deixados entrar no país vindos do Reino Unido e terão que apresentar um teste PCR negativo [feito] nas 72 horas anteriores”, salienta.

Mas Marco Filipe lamenta que esta informação esteja escrita na página do Governo e defende que “os comunicados não são esclarecedores”.

A necessidade de um teste para viajar para Portugal anunciada apenas quatro dias antes do Natal foi uma surpresa para muitos emigrantes portugueses que mantiveram os planos para se juntar à família, mesmo sendo tal desaconselhado pelo Governo britânico, na sequência do anúncio de novas restrições devido à descoberta de uma variante mais contagiosa do novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19.

O Governo Português decretou no domingo que apenas os residentes em Portugal ou os cidadãos portugueses e respetivos familiares estão autorizados a entrar em território nacional oriundos do Reino Unido, ameaçando as companhias aéreas com multas elevadas se deixarem passageiros que não cumpram os requisitos.

“Os viajantes que não sejam portadores desse comprovativo poderão, excecionalmente, ser autorizados a embarcar. À chegada ao território nacional, serão encaminhados, pelas autoridades competentes, para a realização do referido teste, a expensas próprias, no interior do aeroporto”, pode-se ler no Portal das Comunidades Portuguesas.

O Ministério das Infraestruturas e Habitação, que tutela os aeroportos, confirmou que, devido à urgência do despacho publicado no domingo, o Governo articulou-se com a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) para isentar as transportadoras aéreas durante três dias destas multas caso deixassem viajar passageiros sem teste negativo.

“Esta informação sobre a ‘suspensão’ das multas foi comunicada pela ANAC às companhias aéreas, uma vez que essa multa se aplica apenas a elas e não aos passageiros”, explica fonte governamental, destacando ainda que, “a partir das 23h59 de hoje, o despacho de 20 de dezembro aplica-se na sua plenitude”.

A confusão sobre os procedimentos começou logo na segunda-feira, e afetou Carolina Cardenas, que viu o seu voo de Heathrow para o Porto atrasar 10 horas porque lhe era exigido um teste, mas o laboratório existente no aeroporto de Heathrow não fornecia resultados imediatos.

Após pressão de dezenas de passageiros, a British Airways acabou por deixar a luso-colombiana partir, mas num voo para Lisboa, onde precisou de esperar quase cinco horas na fila para obter um teste, pelo qual pagou 100 euros. Só na manhã seguinte é que seguiu para o Porto, onde reside, às suas próprias custas.

“Acho que algumas pessoas desistiram de esperar porque não vieram no meu voo”, disse à Lusa.

Rui Rangel viajou na terça-feira para Lisboa, mas também se deparou com resistência da transportadora britânica, e só conseguiu embarcar, juntamente com outros emigrantes, depois da intervenção de uma funcionária da embaixada, que por acaso se encontrava naquele mesmo voo.

“As pessoas estavam agitadas. Foi muito stressante”, contou à Lusa, referindo que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras lhe tinha assegurado antes que poderia efetuar o teste à chegada.

Nos últimos dias, Tatiana Rodrigues, que vai viajar com o filho, e uma amiga têm procurado freneticamente um laboratório de testes que consiga apresentar o resultado antes de dia 29 de dezembro, e só encontraram solução a cerca de 70 quilómetros de distância, no aeroporto de Stansted.

“Pagámos 99 libras [110 euros] por pessoa. Os outros só tinham vagas para dia 30 [de dezembro] ou dia 4 [de janeiro]. É uma despesa adicional, mas tínhamos medo de não deixarem embarcar”, admitiu.

Recomendadas

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.

Leiria lança concurso público para criar sistema de bicicletas partilhadas

A Câmara de Leiria aprovou hoje o lançamento do concurso público internacional para a criação do sistema público de bicicletas partilhadas da cidade, num investimento de 740 mil euros acrescidos de IVA.

Marcelo “não deveria ter falado” com José Ornelas, considera Ventura

O presidente do Chega, André Ventura, considerou hoje que o Presidente da República “não deveria ter falado” com o bispo José Ornelas sobre questões relacionadas com a denúncia de alegado encobrimento de abusos sexuais.
Comentários