Portugueses pagam mais 500 milhões de euros em luz do que espanhóis

Comparação é feita pelo Bloco de Esquerda que defende uma redução do apoio a energias renováveis.

A fatura da eletricidade dos portugueses este ano foi mais alta que a dos espanhóis em 500 milhões de euros, um valor que diz respeito a subsídios às energias renováveis. As contas foram feitas pelo Bloco de Esquerda que avisa que as famílias nacionais vão continuaram a pagar mais pela energia até 2025, ano em que terminam os atuais contratos.

“As renováveis [portuguesas] cobram mais 500 milhões de euros do que cobrariam a preços do mercado espanhol”, explicou o deputado bloquista Jorge Costa em entrevista ao Correio da Manhã. O BE calculou a diferença entre os dois países com as contas da EDP Renováveis.

A opinião do partido é que o subsídio às energias renováveis tem contribuído para agravar a dívida tarifária, que se situa atualmente nos 4,7 mil milhões de euros. Assim, o BE defende que as energias renováveis devem contribuir para baixar a fatura da luz.

Em Espanha, o apoio às renováveis foi cortado em 2013 e o deputado do bloco lembra que continua a existir investimento no setor, nomeadamente por parte da EDP Renováveis.

No entanto, o presidente da Associação de Energias Renováveis, António Sá da Costa, não concorda. De acordo com o engenheiro, as alterações legislativas afastaram investimento em Espanha. Sá da Costa acrescentou ainda que todas as tecnologias necessitam de apoios estatais no início.

Relacionadas

Eletricidade: aumentos no mercado livre podem chegar aos 20%

Atualização de 1,2% anunciada pela ERSE é só para o mercado regulado e os preços no mercado livre podem subir ainda mais.

Eletricidade sobe 1,2% para as famílias já em 2017

Tarifas de eletricidade no mercado regulado vão subir 1,2% para os consumidores domésticos a partir de 1 de janeiro, o que representa um aumento de 57 cêntimos numa fatura média mensal de 47 euros.
Recomendadas

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.
Comentários