Portugueses pesquisam na Internet mas preferem ver as montras

Os portugueses pesquisam cada vez mais na Internet mas na hora de fazer a escolha final preferem ouvir os lojistas. As conclusões são do mais recente estudo do Observador Cetelem.

REUTERS / Peter Nicholls

Atualmente, cerca de um quinto dos portugueses (19%) faz uma pesquisa na Internet antes de comprar algum produto, mas a generalidade dos consumidores (70%) prefere ver primeiro as montras e obter informações diretamente nas lojas.

De acordo com o estudo do Observador Cetelem, divulgado esta quarta-feira, o valor mantém-se praticamente inalterado, quando comparado com o ano anterior (20%), apontando para uma notória preferência dos portugueses pelos balcões tradicionais de venda.

Ainda que a maior parte dos inquiridos prefira o comércio tradicional ou os shoppings é inegável o impacto que as pesquisas online têm nos consumidores. Antes de comprarem algum produto, 43% dos portugueses recorrem à Internet, como primeira (19%) ou segunda fonte de informação (24%).

Este é um número que tem vindo a crescer ao longo dos últimos anos, na medida em que em 2013 se encontrava nos 31% e, no ano passado, registavam-se menos dois pontos percentuais do que o valor atual.

A análise do Observador Cetelem, em colaboração com a Nielsen, estudou o consumo no país e as intenções de compra para o Natal. Através de inquéritos por telefone, foram estudados 600 indivíduos de Portugal continental, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos.

Recomendadas

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

Macau renova licenças às seis atuais operadoras de casinos no território

MGM Grand Paradise, Galaxy Casino, Venetian Macau, Melco Resorts (Macau), Wynn Resorts (Macau) e SJM Resorts viram as propostas aprovadas.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários