Portugueses preferem comprar presentes de Natal online por ser mais barato e rápido

O Observador Cetelem refere que em 2021 cresceu a intenção de fazer compras online em 17% face aos 10% registados em 2020.

O Natal está à porta e um estudo do Observador Cetelem concluiu que 70% dos portugueses escolhem fazer as suas compras natalícias online por ser mais barato, rápido e cómodo.

Em comunicado, o Observador Cetelem aponta que “os principais motivos que levam os portugueses a fazer as compras de Natal online são o facto de as compras online serem mais baratas do que nas lojas físicas (70%) e devido à rapidez e comodidade (63%)”.

“Uma parte dos portugueses inquiridos também mencionam que compram online porque procuram um produto fora de Portugal (48%) e 42% fazem-no porque não têm tempo de ir às lojas. Já 26% alegam que ainda não se sentem seguros nas lojas físicas”, diz o estudo.

Relativamente a quem prefere o modo presencial para as suas compras de Natal, 32% dos inquiridos “reconhecem que é pela falta de confiança e segurança” nas compras online. O estudo refere que, em 2021, cresceu a intenção de fazer compras online em 17% face aos 10% registados no ano anterior.

Entre os produtos mais procurados estão o “vestuário e acessórios de moda (69%), os produtos culturais, livros, bilhetes para eventos (58%), perfumes, maquilhagem e kits de bem-estar (37%), brinquedos (35%) e relógios, joias ou canetas de marca (9%)”.

Os entrevistados para o estudo admitem vir gastar em média 115 euros, que representa um aumento de 5% em comparação a 2020.

Recomendadas

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo Pierre Gramegna lidera MEE a partir de hoje

Numa reunião realizada à distância na passada sexta-feira, o Conselho de Governadores do MEE, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, decidiu nomear o luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor executivo do fundo de resgate da zona euro.

Ministro das Finanças diz que Governo retirou Portugal da “posição isolada” de terceiro país mais endividado

O ministro das Finanças afirmou que o desempenho do Governo em 2022 permitiu retirar Portugal da “posição isolada” de terceiro país mais endividado da Europa, sublinhando que isso representa um “ganho de credibilidade”.

Desemprego na zona euro cai para 6,5% em outubro atingindo mínimo histórico desde 2008

A taxa de desemprego na zona euro caiu para 6,5% em outubro, o que compara com 7,3% no mesmo mês de 2021, anunciou hoje o gabinete estatístico da União Europeia (UE), revelando ser um mínimo histórico desde 2008.
Comentários