Portugueses vão ter o Natal mais farto dos últimos seis anos

Consumo deverá aumentar pelo terceiro ano consecutivo. Em média, cada português deverá gastar 373 euros, mais 24% que em 2015.

REUTERS / Peter Nicholls

Este ano os portugueses vão gastar mais no Natal. A conclusão é de um estudo realizado pelo IPAM que analisa o comportamento dos consumidores durante a quadra natalícia. 373 euros é o valor médio estimado para os gastos com compras de Natal, sendo o valor mais alto registado desde 2010. Os consumos de Natal deverão aumentar mais 24% face ao valor apurado em 2015, que havia ficado pelos 301 euros.

Face a estes dados recolhidos pelo trabalho de investigação conduzido pelo IPAM, destaque para um que confirma que a tendência de consumo no Natal está a aumentar: mais do dobro dos inquiridos – 36% – admite gastar mais em compras de Natal este ano, e apenas 16% afirma gastar menos que no ano anterior. Considerando que este estudo é realizado continuamente desde 2009, é possível comparar os dados e atestar que a tendência de consumo no Natal está a subir, voltando a números observados em 2010.

Assim, considerando que o valor médio com compras de Natal deverá subir, a fatia do orçamento destinada a presentes continua a circunscrever-se ao núcleo familiar. Apenas 34% planeia oferecer prendas a amigos, o mesmo que em 2015. No que toca à escolha dos presentes a oferecer, o estudo constata aquilo que já vem sendo tradição: brinquedos (36%) para as crianças; roupa e sapatos (32%) para adolescentes e adultos.

Mais portugueses a antecipar as compras de Natal
O estudo do IPAM revela, ainda, que os portugueses já não esperam exclusivamente pelo mês de dezembro para realizar as compras de Natal. Os dados recolhidos são claros: face a 2015, regista-se um aumento de 12,5% na intenção de compra dos consumidores antes de dezembro.
Pela primeira vez, a percentagem de inquiridos que opta exclusivamente por centros comerciais é a mais baixa com 29,1% em 2016 face a 47% registado em 2011. Apesar dos centros comerciais continuarem a ser os espaços de eleição para as compras de Natal, o estudo do IPAM mostra que os outros locais de compra estão a conquistar cada vez mais a preferência dos portugueses, com o comércio de rua e a internet a registarem valores expressivos, totalizando já 22,5% da intenção de compra.

Bacalhau continua a liderar a preferência dos portugueses no Natal
A tradição ainda é o que era, com o bacalhau a liderar nos bens alimentares escolhidos para fazer parte da ceia de Natal deste ano. O bacalhau continua a ser o produto de eleição para os portugueses (66 por cento), seguido dos doces típicos de natal (60,1%) e do bolo rei (58%). Os dados recolhidos apontam para um gasto médio na ordem dos 90 euros em bacalhau, sendo que os hipermercados estão no topo das preferências para efetuar esta compra, registando uma significativa percentagem de 66%, logo seguido pelo comércio tradicional com 30%. O estudo conclui, ainda, que quase metade efetua a compra do bacalhau durante o mês de dezembro (49%), mas 36% dos inquiridos espera pelas promoções para adquirir este bem alimentar.

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários