Portugueses viajam mais no Natal e Ano Novo e maioria fica em Portugal

 O número de portugueses que admite gozar férias durante o Natal e Ano Novo subiu ligeiramente face a 2018, optando a maioria por ficar em Portugal, segundo um inquérito do IPDT, entidade especializada em consultoria na área, em parceria com a Soltrópico.

De acordo com informação hoje divulgada, 40% dos inquiridos responderam que iriam fazer férias fora de casa nesta altura, “um ligeiro acréscimo de 1,6 pontos percentuais” face a 2018.

O inquérito concluiu ainda que dos 40% que tencionam ir de férias no Natal e fim de ano, “69% vão ficar em território nacional”, com as regiões do Centro e do Porto e Norte a aparecerem como destinos preferenciais, “recolhendo 52% das preferências, seguindo-se Alentejo e Açores (15%).

O IPDT revela ainda que “um terço dos turistas portugueses têm como destino o exterior do país, um acréscimo de 5% face ao ano passado” e “Espanha, França e Reino Unido são os principais destinos”.

A duração da estadia será, em média, de 4,15 noites, “o que representa um acréscimo face ao período homólogo de 2018 (3,46 noites)”, mas o consumo “diminui ligeiramente face a 2018”.

Cada turista nacional “deverá gastar, em média, 180 euros a que corresponde um gasto por noite e turista de 43 euros”, de acordo com o inquérito.

O estudo concluiu também que a “visita a familiares e amigos é a principal motivação que leva os portugueses a optar pelo destino de férias na época natalícia, apontada por 36% dos inquiridos”, sendo que ficam hospedados em alojamento particular, como a casa de familiares ou amigos e em hotéis de 3 e 4 estrelas, referiu o IPDT.

A recolha de dados decorreu entre 19 de novembro e 03 de dezembro de 2019, com a aplicação de um questionário promovido através de uma campanha ‘online’, que gerou um total de 518 questionários válidos.

Recomendadas

Embaixador russo em Lisboa diz que anexações são “direito consagrado na Carta da ONU”

O embaixador russo em Lisboa, Mikhail Kamynin, transmitiu hoje ao Governo português que a realização de referendos nas regiões ucranianas anexadas pela Rússia corresponde a “um direito consagrado na Carta das Nações Unidas”.

Entregas ao domicílio da IKEA serão totalmente elétricas até 2025, diz CEO

A meta para 2030 é ser uma empresa positiva para o clima, isto é, reduzir mais gases de efeito estufa do que aqueles que são emitidos por toda a sua cadeia de valor.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários