Portway e sindicatos acordam subidas salariais entre 5% e 8,5% em 2023

“A Portway chegou a acordo com as estruturas sindicais representativas dos trabalhadores na empresa para atualizações salariais no próximo ano de 2023. Os aumentos salariais para os níveis base das tabelas são de 8,5% e no mínimo de 5% nos níveis seguintes”, informou a empresa de assistência em aeroportos, em comunicado.

Portway

A Portway anunciou hoje que chegou a acordo com os sindicatos para aumentos salariais, em 2023, de 8,5% para os níveis mais baixos e de 5% nos seguintes, com parte dos aumentos feitos ainda este ano, com retroativos a outubro.

“A Portway chegou a acordo com as estruturas sindicais representativas dos trabalhadores na empresa para atualizações salariais no próximo ano de 2023. Os aumentos salariais para os níveis base das tabelas são de 8,5% e no mínimo de 5% nos níveis seguintes”, informou a empresa de assistência em aeroportos, em comunicado.

Parte dos aumentos serão feitos ainda este ano, com retroativos a outubro, e “está ainda previsto um prémio adicional a todos os trabalhadores, a pagar em fevereiro, caso a Portway atinja um comportamento económico-financeiro e operacional em linha com os níveis esperados”, acrescentou a empresa.

Desta forma, a massa salarial da empresa vai aumentar 5,5%, no próximo ano.

A Portway considerou que se trata de “um esforço financeiro considerável”, tendo em conta que a empresa “ainda não recuperou totalmente o desempenho verificado antes da pandemia”, mas sublinhou que, tendo em conta o nível da inflação, “solidariza-se com os seus trabalhadores e avança para aumentos salariais e de subsídios, num espírito de cooperação perante o cenário de aumento generalizado do custo de vida que se vive no país e na Europa”.

Já o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (Sintac), também em comunicado, considerou que “a empresa poderia ter ido mais longe na justa e merecida atualização salarial a todos os trabalhadores”, mas “deu aval positivo a esta proposta que irá incrementar em média 900 euros nos salários em termos anuais”.

O sindicato detalhou que o resultado das negociações foram “aumentos de 5% na tabela salarial, dos quais 2% com retroatividade a outubro de 2022”, a a pagar no processamento salarial de dezembro deste ano, “e os restantes 3% com efeitos a janeiro de 2023”.

Ficou também acordada a atualização no subsídio de refeição para 176 euros mensais, ou seja, mais 6,66%, em cartão de refeição, e 171 euros mensais (+3,63%) em subsídio de refeição em dinheiro, bem como o aumento de cerca de 5% no abono de transporte para 47,70 euros mensais ou abono social para 47,72 euros.

Adicionalmente, o subsídio de chefia ou supervisão aumenta para o mínimo de 97 euros e o subsídio de coordenação aumenta para 135 euros.

Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários