Pós-Brexit. Boris Johnson vai a Bruxelas esta quarta-feira para desbloquear impasse

Reino Unido e Bruxelas ainda não chegaram a um entendimento na definição das relações económicas e comerciais entre o bloco britânico e a União Europeia. Boris Johnson e Ursula von der Leyen correm contra o tempo para encontrar uma solução antes que o período de transição termine.

Boris Johnson | Twitter

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vai reunir com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no dia 9 de dezembro (esta quarta-feira) para desbloquear o impasse que existe sobre o acordo comercial para o pós-Brexit entre o bloco britânico e o bloco comunitário. A ida de Johnson a Bruxelas foi revelada esta terça-feira pela presidente da Comissão Europeia.

“Estou ansiosa por dar as boas-vindas ao primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, amanhã [quarta-feira] à noite”, escreveu Ursula von der Leyen na sua conta oficial de Twitter. “Continuaremos a nossa discussão sobre o acordo de parceria”, adiantou a responsável.

A reunião entre Boris Johnson e Urusla von der Leyen ocorrerá dois dias depois de ambos terem falado ao telefone, comprometendo-se a agendar uma reunião para debaterem frente a frente o que o Reino Unido e Bruxelas querem para o futuro das relações entre os dois blocos. As últimas notícias e informações veiculados pelas delegações de ambas as partes indicam que não há, para já, condições para um acordo final.

Os dois blocos ainda não chegaram a um entendimento sobre três temas críticos, nomeadamente, a igualdade no acesso aos mercados, governação e pescas. Não obstante, o comité misto União Europeia-Reino Unido anunciou esta terça-feira um acordo de princípio para a implementação da saída da União Europeia (UE), que prevê a retirada das cláusulas controversas de uma proposta de lei que anulava partes do entendimento inicial.

O primeiro ministro e a presidente da Comissão Europeia correm contra o tempo. O período de transição termina no final deste ano, no dia 31 de dezembro – dentro de três semanas. Desde que a saída do Reino Unido da União Europeia foi formalizada em 31 de janeiro, que se deu início a um período de transição – permitindo que o Reino Unido continuasse a beneficiar do mercado único até ao final de 2020 -, com os dois blocos a negociar um acordo pós-Brexit. O objetivo era que esse entendimento fosse ratificado antes do fim do ano, para entrar em vigor no dia 1 de janeiro de 2021. Facto é que ainda não há entendimento e o tempo é cada vez mais escasso para as partes chegarem a um acordo.

A UE e o Reino Unido entram, assim, num derradeiro sprint para chegar a acordo sobre as relações futuras. Se tal não acontecer, a partir de 1 de janeiro – data que coincide com o arranque da presidência portuguesa do Conselho da UE no primeiro semestre de 2021 -, os britânicos vão deixar de beneficiar do chamado período de transição, perdendo o acesso ao mercado único.

Na ausência de um acordo, as relações económicas e comerciais entre os dois blocos serão regifas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e com a aplicação de vários controlos alfandegários e regulatórios.

Relacionadas

Brexit: Reino Unido retira cláusulas que anulavam parte do acordo de saída da UE

O comité misto União Europeia (UE)-Reino Unido anunciou hoje um acordo de princípio para a implementação da saída da UE, que prevê a retirada das cláusulas controversas de uma proposta de lei que anulava partes do entendimento.

Brexit: UE e Reino Unido retomam conversações a três semanas do prazo final para um acordo

As dificuldades na obtenção de um acordo não impedem ambas as partes de tentarem a obtenção do mesmo até ao final do prazo previsto para o efeito, que chega no final deste ano. As questões concorrenciais e das pescas continuam a ser o principal obstáculo.

As hipóteses de um acordo para o Brexit não são maiores do que 50%, apontam fontes do governo britânico

A indefinição em relação a alguns pontos chave, neste caso, a política de pescas, questões concorrenciais e resolução de disputas tem arrastado o processo, que agora levará os líderes de cada lada a dialogarem diretamente.
Recomendadas

PremiumIdade da reforma deverá voltar a subir, depois do impacto da covid-19

A pandemia provocou um recuo inédito da idade da reforma em Portugal, mas esta deverá voltar a crescer, nos próximos anos, à medida que se atenuam os efeitos da covid na esperança de vida.

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.
Comentários