Poupanças dos cabo-verdianos nos bancos cresceram mais de 8% com a pandemia

Em março, esses depósitos de poupança ascendiam a 6.847 milhões de escudos (62,3 milhões de euros).

As poupanças dos cabo-verdianos nos bancos renovaram em outubro um novo máximo histórico e já acumularam um crescimento superior a 8% desde o início da pandemia de covid-19, segundo dados oficiais.

De acordo com dados do mais recente relatório estatístico mensal do Banco de Cabo Verde (BCV), compilados esta sexta-feira pela Lusa, os depósitos de poupança nos bancos cabo-verdianos ultrapassaram no final de outubro os 7.385,7 milhões de escudos (66,7 milhões de euros), um novo máximo histórico.

Trata-se de um aumento superior a 14% face ao mesmo mês de 2019, e um crescimento de 8,1% desde março, quando o país decretou o estado de emergência, com o confinamento da população e paralisação das empresas, para conter a transmissão da pandemia de covid-19.

Em março, esses depósitos de poupança ascendiam a 6.847 milhões de escudos (62,3 milhões de euros).

Em Cabo Verde operam sete bancos comerciais com licença para trabalhar com clientes residentes e quatro apenas com licença para clientes não residentes, considerados ‘offshore’, regime que termina no final deste ano, conforme prevê a nova legislação aprovada em fevereiro, no parlamento.

Segundo um inquérito realizado há cinco anos pelo BCV sobre a literacia financeira da população cabo-verdiana, cerca de 91% dos inquiridos consideram importante, ou, até mesmo muito importante planear o orçamento familiar e apenas 9% consideram pouco importante ou nada importante.

O estudo concluiu ainda que cerca de 55% dos inquiridos planeavam uma periodicidade mensal, 45% costumava poupar e destes, somente 1 a 2% poupa numa perspetiva de longo prazo, enquanto 53% afirmam que não poupam e, desses, 82% aponta como principal razão o baixo nível de rendimento, enquanto que 6% não consideram a poupança como uma prioridade.

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) realizou um inquérito de conjuntura das famílias cabo-verdianas no segundo trimestre deste ano, chegando à conclusão de que a maior parte dos inquiridos (93,2%) considerou que a atual situação económica do país não permite fazer poupança.

Recomendadas

Banco Mundial revê crescimento da África subsaariana em baixa para 3,3% este ano

“Os ventos contrários globais estão a abrandar o crescimento económico africano, com os países a continuarem a lidar com a subida da inflação e as dificuldades no progresso na redução da pobreza”, lê-se no relatório Pulsar de África, hoje divulgado em Washington, nas vésperas dos Encontros Anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

São Tomé: Presidência da CPLP sublinha “espírito positivo de todos os atores políticos”

“O Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço, presidente da CPLP, mandou-me aqui a São Tomé para conversar com as autoridades locais, também com outros autores da sociedade de São Tomé e Príncipe, neste momento histórico em que o país acaba de passar por um processo eleitoral”, disse o ministro das Relações Exteriores de Angola, Teté António, após um encontro com o Presidente são-tomense, Carlos Vila Nova.

Banco Mundial prevê crescimentos abaixo de 3% em Angola até 2024

O Banco Mundial prevê que a economia de Angola cresça 3,1% este ano e abrande para menos de 3% até 2024, mantendo, assim, crescimentos abaixo da média regional, devido à desaceleração na produção de petróleo.
Comentários